PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
15 dias

Covid-19: Manifestantes protestam contra medidas de restrição na Holanda

Manifestantes protestam contra medidas de restrição na Holanda - Reprodução/Twitter/nicolebroek1
Manifestantes protestam contra medidas de restrição na Holanda Imagem: Reprodução/Twitter/nicolebroek1

Do UOL, em São Paulo

19/11/2021 18h31

Manifestantes protestaram hoje contra novas medidas de restrição de combate à pandemia de covid-19, em Rotterdam, na Holanda. Fogos de artifício foram disparados e latas de lixo, incendiadas, durante os distúrbios. Pelo menos duas viaturas foram destruídas. A polícia reagiu com tiros de advertência, informou a imprensa local.

"Uma manifestação no Coolsingel [centro da cidade] resultou em tumultos. Em vários locais foram provocados incêndios, disparados fogos de artifício e vários disparos [de alerta] da polícia. A polícia está presente em grande número e tenta restaurar a ordem", escreveu a polícia, em seu perfil oficial nas redes sociais. "Houve feridos relacionados aos tiros", completou, em outra mensagem.

A vacinação contra a covid não avançou na Europa, e países como a Alemanha, Bélgica, Inglaterra e a Holanda aprovaram novas medidas para contenção do vírus.

Na semana passada, o primeiro-ministro interino da Holanda, Mark Rutte, anunciou que o país entraria em lockdown durante três semanas para conter o avanço da covid. "Trazemos uma mensagem difícil, com medidas que atingem a todos. O vírus está em todos os lugares e precisa ser combatido. As restrições são inevitáveis", disse ele, na ocasião.

Entre as medidas anunciadas estão cancelamento de eventos, redução nos horários de cafés e restaurantes, redução nos horários do comércio e eventos privados limitados a 4 pessoas.

Além disso, a Holanda determinou que as pessoas nos bares, terraços e restaurantes permaneçam sentadas o tempo todo. Cabeleireiros, profissionais do sexo e massagistas, bem como lojas não essenciais, terão que deixar de prestar serviços a partir das 18h. As medidas serão aplicáveis até pelo menos 4 de dezembro.

Internacional