PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Chernobyl: onde fica e por que é importante na guerra Rússia x Ucrânia?

Chernobyl foi invadida pela Rússia: saiba onde fica e por que é importante na guerra Rússia x Ucrânia - Getty Images
Chernobyl foi invadida pela Rússia: saiba onde fica e por que é importante na guerra Rússia x Ucrânia Imagem: Getty Images

Rebecca Vettore

Colaboração para o UOL

24/02/2022 19h33

A usina nuclear de Chernobyl, localizada na Ucrânia, foi tomada por militares russos na tarde desta quinta-feira (24), segundo o governo da Ucrânia. Mas o que aconteceu com Chernobyl e por que ela é tão importante para Vladimir Putin?

"É impossível dizer se a usina nuclear de Chernobyl está segura após um ataque totalmente sem sentido dos russos", disse o conselheiro do gabinete presidencial da Ucrânia, Mykhailo Podolyak. "Essa é uma das ameaças mais sérias na Europa agora".

Como funcionava e onde fica Chernobyl?

Chernobyl, a primeira usina nuclear da Ucrânia, começou a ser construída em 1972, com quatro reatores nucleares do tipo RBMK (reatores canalizados de alta potência). Na época, o país ainda era um território da União Sov­­­­­­­­­­­­­­­iética. Depois que as obras terminaram em 1977, a instalação passou a funcionar como as outras usinas nucleares.

A localização do centro nuclear é estratégica: fica a 120 km de Kiev, capital da Ucrânia. Os reatores ficavam próximos da cidade ucraniana Pripyat, que se situa um pouco abaixo da fronteira com a Bielorrússia.

Os reatores funcionavam assim como as panelas de pressão: a fissão de elementos instáveis, como urânio ou plutônio, aquece a água e o vapor produzido move as turbinas conectadas a geradores. A movimentação, chamada de indução eletromagnética, gera correntes elétricas.

Até 1986, a usina era responsável por produzir aproximadamente 10% de toda a energia consumida pela Ucrânia. Mas na madrugada do dia 26 de abril de 1986, um dos reatores da usina nuclear explodiu e causou a morte imediata de quase 30 pessoas.

Especialistas apontam que até 30% das 190 toneladas métricas de urânio de Chernobyl foram emitidas na atmosfera. A União Soviética fez a evacuação de 335 mil pessoas, que moravam em um raio aproximado de 30 quilômetros da usina, apenas 36 horas depois da explosão. Foram identificados altos níveis de radiação na Polônia, Áustria, Suécia e Bielorrússia.

O que aconteceu com Chernobyl após a explosão?

O acidente foi apontado como umas das razões que contribuíram para o fim da União Soviética. Os impactos econômicos imputados pelo acidente só pioraram a crise econômica que a nação soviética vivia desde a década de 1970.

Depois do desastre, os três reatores restantes continuaram operando. Em outubro de 1991, o reator número 2 pegou fogo. Neste mesmo ano, a Ucrânia ganhou independência da União Soviética e o novo parlamento do país decidiu cancelar a operação do segundo reator. Cinco anos depois, em razão da pressão de governos estrangeiros, o reator número 1 também foi fechado.

No final de 2000, o reator número 3 foi encerrado e a usina parou de produzir eletricidade. Desde 2015, os três reatores entraram na fase de descomissionamento, quando só cientistas continuam trabalhando para observar a situação da radiação.

"A descontaminação de Chernobyl envolveu uma massa de 1,5 milhão de pessoas, teve um custo altíssimo e acabou em 2017. O espaço foi lacrado, virou uma espécie de sarcófago e na sequência se transformou em um roteiro turístico", explica Leonardo Trevisan, professor de geoeconomia internacional da ESPM.

Por que Chernobyl é importante na guerra Rússia x Ucrânia?

Apesar de não estar mais funcionando, a região da usina foi invadida por militares russos. Segundo Leonardo Paz, analista de inteligência do FGV-NPII (Núcleo de Prospecção e Inteligência Internacional da Fundação Getúlio Vargas), o fator nuclear pode estar por trás da invasão.

A Ucrânia tinha o terceiro maior arsenal nuclear do mundo, composto por cerca de 1.900 ogivas nucleares, até 1994, quando assinou o Memorando de Budapeste. Nele, Kiev abriu mão das bombas nucleares com a garantia de que Estados Unidos, Rússia e o Reino Unido não atacariam suas fronteiras. Recentemente, o presidente ucraniano tentou invocar o memorando para evitar uma invasão russa.

"A usina é importante porque ainda tem material nuclear que é fundamental para ser usado em qualquer ambição bélica. Da mesma maneira que Putin anexou a Crimeia em função da posição estratégica, tendo acesso rápido a material nuclear, você desarticula qualquer reação futura da Ucrânia", disse Leonardo.

Kiev já havia invocado o cumprimento do Memorando de Budapeste em 2014, quando protestos derrubaram o presidente ucraniano aliado de Moscou, Viktor Yanukovych. Mas a Rússia invadiu e anexou a Crimeia, região da Ucrânia onde fica a base naval russa de Sevastopol e a Frota do Mar Negro.

Para o professor de geoeconomia internacional da ESPM, apesar de desativada, a usina é importante também porque representa um símbolo da era soviética.

"É difícil precisar por que esse símbolo foi escolhido para ser um dos primeiros a ser retomado pela infantaria russa. De algum modo, essa invasão parece um recado de que o que sobrou de mais negativo da União Soviética pode ter virado uma reafirmação do poder soviético, porque o símbolo é forte", opina.

Internacional