PUBLICIDADE
Topo

Guerra da Rússia-Ucrânia

Notícias do conflito entre Rússia e Ucrânia


Como são os lança-mísseis de longo alcance que a Ucrânia pede aos EUA?

M142 Himars pode transportar até seis foguetes ou um míssil atacms, capaz de atingir alvos a 300 quilômetros de distância - Lockheed Martin/Divulgação
M142 Himars pode transportar até seis foguetes ou um míssil atacms, capaz de atingir alvos a 300 quilômetros de distância Imagem: Lockheed Martin/Divulgação

Colaboração para o UOL, em Balneário Camboriú (SC)

12/05/2022 04h00

A Ucrânia pediu no começo de maio que os Estados Unidos enviem dois tipos de lançadores de mísseis de alto alcance: o M142 Himars e o M270 MLRS. A solicitação foi feita pelo chefe das Forças Armadas da Ucrânia, Valeriy Zaluzhny, ao chefe do Estado-Maior dos Estados Unidos, o general Mark Milley.

Mas por que a Ucrânia quer esse tipo de armamento? Uma das explicações é o poder de fogo desses lançadores, que podem fazer com que os mísseis percorram uma distância de 32 a 500 quilômetros, dependendo do tipo de projétil utilizado.

Outro motivo é uma resposta da Ucrânia à chamada "nova fase da guerra", na qual a Rússia pretende concentrar suas atenções na tomada do leste do país onde ficam as regiões separatistas de Luhansk e Donetsk.

Os Estados Unidos já entregaram à Ucrânia canhões do tipo M777 howitzers, de 155 mm, que atingem alvos a 40 quilômetros de distância.

Esse tipo de armamento é menor em relação aos dois solicitados pela Ucrânia, mas é bastante destrutivo, com margem de erro em relação ao ponto de impacto inferior a 4 metros.

Os próprios americanos, mobilizados no front oriental da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) desde o início da invasão russa, fizeram o treinamento dos militares ucranianos e organizaram uma operação sigilosa para transportar os M777 para dentro da Ucrânia.

Lançadores podem ser levados em aviões

Os dois lançadores desejados pela Ucrânia operam de maneira similar, erguendo parte da carroceria para lançar os mísseis —num movimento parecido com o de uma caçamba de caminhão quando vai descarregar areia, por exemplo.

Na verdade, o M142 Himars é mais parecido com um caminhão, enquanto o M270 é similar a um tanque de guerra. Isso se deve ao tipo de rodas usados em cada um deles —no caso do M270 ficam envoltas em esteiras, enquanto no outro tipo não há ligação entre uma e outra.

M270 se assemelha a um tanque de guerra, já que rodas ficam envoltas em uma esteira - Lockheed Martin/Divulgação - Lockheed Martin/Divulgação
M270 se assemelha a um tanque de guerra, já que rodas ficam envoltas em uma esteira
Imagem: Lockheed Martin/Divulgação

Os dois veículos conseguem acomodar uma tripulação de três pessoas, não sendo necessário que saiam de dentro da cabine no momento dos disparos.

Para se deslocar de um ponto a ponto, o M270 é mais lento, podendo atingir velocidade máxima de 64,3 km/h, enquanto o M142 trafega a 85 km/h. Isso pode estar relacionado ao peso dos dois —24,95 toneladas e 10,9 toneladas, respectivamente.

Segundo a fabricante Lockheed Martin, os dois modelos podem ser transportados em aviões cargueiros, o que facilita o emprego desses veículos em combates.

Os dois lançadores têm capacidade diferente de munição. O M142 Himars pode transportar até seis foguetes ou um míssil capaz de atingir alvos a 300 quilômetros de distância. Já o M270 comporta 12 foguetes guiados, ou quatro mísseis de ataque de precisão (que percorre 500 quilômetros) ou dois Atacms (Army Tactical Missile System), segundo a fabricante.

Lançadores foram projetados nas décadas de 70 e 90

O M142 foi desenvolvido nos anos 90. De acordo com documentos oficiais divulgados em 2014, uma unidade chega a custar US$ 5,1 milhões, cerca de R$ 26,1 milhões.

O sistema foi utilizado pela primeira vez em combate em julho de 2007, na província de Al Anbar, no Iraque. Hoje, é utilizado em operações americanas no Afeganistão e na Síria, além dos Emirados Árabes Unidos, Jordânia, Singapura e Romênia.

M142 pode levar três tripulantes - Lockheed Martin/Divulgação - Lockheed Martin/Divulgação
M142 pode levar três tripulantes
Imagem: Lockheed Martin/Divulgação

Já o M270 foi desenvolvido no final dos anos 70 numa força-tarefa composta pelos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha Ocidental, França e Itália. Com mais de 1.300 unidades espalhadas pelo mundo, estima-se que um M270 custe por volta de US$ 2,3 milhões (R$ 11,7 milhões).

Os primeiros M270 entraram em operação em 1982, após serem adquiridos pelo exército norte-americano. No entanto, eles só vieram a entrar em ação durante a Guerra do Golfo, em 1991. De lá para cá, ele participou de ações no Afeganistão e no Iraque.

O M270 foi produzido até 2003, mas segue sendo usado pelos exércitos de mais de 15 países, a maioria parte da Otan.

M270 deixou de ser fabricado em 2003, mas ainda é usado em 15 países da Otan - Lockheed Martin/Divulgação - Lockheed Martin/Divulgação
M270 deixou de ser fabricado em 2003, mas ainda é usado em 15 países da Otan
Imagem: Lockheed Martin/Divulgação

Pedido relacionado a 'nova fase da guerra'

Em 19 de abril, militares da Ucrânia afirmaram que uma nova fase de guerra começou quando "os ocupantes fizeram uma tentativa de penetrar nossas defesas ao longo de quase toda a linha de frente''.

O ministro do Exterior russo, Serguei Lavrov, confirmou a nova fase. "A operação no leste da Ucrânia tem como objetivo a libertação completa das repúblicas de Donetsk e Lugansk", afirmou numa entrevista à cadeia de TV India Today.

Depois que as tropas russas fracassaram em tomar a capital ucraniana, Kiev, o Kremlin declarou que seu principal objetivo é a captura da região leste de Donbass.

Se bem-sucedida, a ofensiva daria a Putin uma vitória que ele poderia apresentar ao povo russo em meio às baixas crescentes da guerra e às dificuldades econômicas causadas pelas sanções do Ocidente. (Com agências internacionais)