PUBLICIDADE
Topo

Guerra da Rússia-Ucrânia

Notícias do conflito entre Rússia e Ucrânia


Conteúdo publicado há
1 mês

'Chuva' de munições cai sobre siderúrgica em Mariupol na Ucrânia; assista

Do UOL, em São Paulo

17/05/2022 09h54Atualizada em 17/05/2022 11h31

Um vídeo que circula nas redes sociais desde o último domingo (15) mostra uma "chuva" de munições caindo em forma de cascata sobre a siderúrgica Azovstal, no porto ucraniano de Mariupol, no sudeste da Ucrânia. O local está sob ataque constante das forças da Rússia.

À agência de notícias Reuters, um especialista britânico disse que as imagens indicam se tratar de um ataque com fósforo ou armas incendiárias. O vídeo, ainda segundo a Reuters, foi postado inicialmente no aplicativo de mensagens Telegram por Alexander Khodakovsky, comandante da autoproclamada república pró-russa de Donetsk.

"Se você não sabe o que é e para que propósito - você pode dizer que é até bonito", escreveu Khodakovsky.

Ainda não está claro quais forças dispararam as munições e de onde.

Autoridades da Ucrânia disseram hoje que trabalham para resgatar os últimos combatentes da siderúrgica Azovstal, último foco da resistência na cidade sitiada de Mariupol, depois que 264 soldados ucranianos foram retirados ontem e levados a áreas sob controle russo, segundo informações de Kiev.

Deles, 53 feridos gravemente foram levados para tratamento em um hospital em Novoazovsk, controlada por separatistas pró-Moscou, enquanto as outras 211 pessoas foram levadas para Olenivka, acrescentou o governo em comunicado.

A Rússia, por sua vez, afirmou que 256 soldados "abaixaram suas armas e se renderem", entre eles os 51 gravemente feridos.

Acredita-se que cerca de 600 soldados ainda estejam na Azovstal. O complexo fabril tornou-se um símbolo de resistência, com centenas de combatentes entrincheirados em túneis subterrâneos e bunkers, travando uma batalha de resistência para impedir que as tropas russas assumam o controle total da cidade portuária sitiada desde o início da guerra.

*Com informações das agências Reuters e Deutsche Welle