PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Carneiro mata mulher a cabeçadas e é condenado a 3 anos de prisão

Arquivo: Homem toca seu rebanho de carneiros pela rua Savile Row, em Londres - Peter Nicholls/Reuters
Arquivo: Homem toca seu rebanho de carneiros pela rua Savile Row, em Londres Imagem: Peter Nicholls/Reuters

Colaboração para o UOL, em São Paulo

26/05/2022 11h49

Um carneiro foi condenado a três anos de prisão depois de ser considerado culpado por matar uma mulher com uma série de cabeçadas em Akuel Yol, no Sudão do Sul. A vítima fraturou costelas e não resistiu aos ferimentos.

O carneiro recebeu a sentença de reclusão de três anos em um acampamento militar na sede do condado de Aduel. O tribunal local decidiu que o proprietário, Duony Manyang Dhal, também terá que entregar cinco vacas à família de Adhieu, como forma de indenização.

De acordo com o site Newsweek, o animal foi detido pela polícia no início deste mês, depois de atacar Adhieu Chaping, de 45 anos. O carneiro deu várias cabeçadas na vítima quebrando suas costelas. Até o momento, não há informações que expliquem o que provocou a fúria do animal.

Em entrevista à rádio sudanesa Eye, o major Elijah Mabor, porta-voz da polícia, disse que o carneiro foi apreendido logo após a chegada dos oficiais no local da tragédia e levada sob custódia a uma delegacia em Maleng Agok Payam. Apesar de o mamífero ter um proprietário, o major Mabor afirmou que ele não será responsabilizado pelo incidente.

"O proprietário é inocente e o animal é quem cometeu o crime, então ele merece ser preso".

Dhal provavelmente perderá o carneiro no final de sua sentença, pois as leis da região afirmam que qualquer animal doméstico que matar uma pessoa é confiscado, como compensação à família da vítima.

O dono do animal e a família da vítima são parentes e vizinhos. Ambas as famílias assinaram o contrato para formalizar o acordo com a polícia e lideranças comunitárias que atuam como testemunhas.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado inicialmente, a imprensa define o animal como um carneiro, e não uma cabra. O conteúdo foi corrigido.

Internacional