PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Boris Johnson: 'Estou triste em renunciar ao melhor trabalho do mundo'

Do UOL, em São Paulo

07/07/2022 09h37Atualizada em 07/07/2022 10h21

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, renunciou hoje ao cargo após denúncias de assédio balançarem o governo, com a saída de ao menos 50 ministros e funcionários insatisfeitos.

Em um discurso curto em frente à residência oficial, Johnson disse estar triste de renunciar ao "melhor trabalho do mundo", e que "na política, ninguém é remotamente indispensável".

Ele não falou diretamente sobre a crise no Partido Conservador, e atribuiu a pressão pela renúncia dele a uma "mentalidade de rebanho".

Veja os principais trechos do discurso:

Nos últimos dias, tentei persuadir meus colegas que seria excêntrico trocar o governo quando estamos entregando tanto [...]. Eu me arrependo de não ser bem-sucedido nesta argumentação, é doloroso não conseguir ver a conclusão de tantas ideias e projetos por mim mesmo. Mas, como vimos, em Westminster, a mentalidade de rebanho é poderosa, e quando o rebanho segue em frente, ele segue em frente. Meus amigos, na política, ninguém é remotamente indispensável

"Nosso sistema eleitoral brilhante e darwinista vai produzir outro líder, igualmente comprometido em levar nosso país em frente durante esses tempos difíceis", disse.

Ao novo líder, eu te apoiarei o máximo possível. E ao Parlamento britânico, sei que haverá muitas pessoas aliviadas e outras desapontadas. Quero que vocês saibam o quanto estou triste de renunciar ao melhor trabalho do mundo.

"Quero agradecer, sobretudo, ao povo britânico, pelo privilégio que me deram. Quero que saibam que daqui até a eleição de um novo governo, serviremos aos seus interesses, e o governo do país continuará".

Ser primeiro-ministro foi uma experiência educativa, eu viajei a todas as partes do Reino Unido, e além da beleza da natureza, encontrei tantas pessoas com tanta originalidade britânica e vontade de resolver todos os nossos problemas de novas formas, que sei que mesmo que as coisas pareçam sombrias agora, nosso futuro é dourado.

Leia a íntegra do discurso:

Boa tarde a todos.

É clara agora a vontade do Partido Conservador do Parlamento de que deve haver um novo líder deste Partido e, portanto, um novo primeiro-ministro.

Eu concordo com sir Graham Brady, o presidente de nosso 'backbench' que o processo de escolha desse novo líder deve começar agora. Um cronograma será anunciado na próxima semana. Hoje, eu nomeei um gabinete para servir até que um novo líder seja escolhido.

Queria dizer aos milhões de pessoas que votaram em nós em 2019, muitas que votaram no partido conservador pela primeira vez, muito obrigado por esse mandato incrível, a maior maioria conservadora desde 1987, a maior quantidade de votos desde 1979.

A razão pela qual lutei tanto nos últimos dias para continuar, para entregar esse mandato pessoalmente, não era só porque eu queria fazer isso, mas porque sentia que era meu trabalho, meu dever, minha obrigação, continuar a fazer o que prometemos em 2019.

Estou imensamente orgulhoso das realizações deste governo, desde concluir o Brexit, estabelecer nossas relações com o continente por mais de meio século, retomar o poder para este país fazer suas próprias leis no parlamento, conduzir todos nós através da pandemia, entregar a campanha de vacinação mais rápida da Europa, ter a saída mais rápida do lockdown, e nos últimos meses, conduzir o ocidente a se levantar contra a agressão de Putin na Ucrânia.

Ao povo da Ucrânia, nós no Reino Unido continuaremos a apoiar a sua luta por liberdade pelo tempo que durar.

Ao mesmo tempo, neste país, continuaremos tentando implementar um programa vasto de investimento em infraestrutura, habilidades e tecnologia, o maior do século, porque se eu sei de algo sobre os seres humanos, é que a genialidade, o talento, o entusiasmo e a imaginação estão distribuídos igualmente entre a população. A oportunidade, não. Este é o motivo pelo qual devemos continuar levantando, liberando o potencial em todas as partes do Reino Unido. Se pudermos fazer isso no nosso país, seremos os mais prósperos da Europa.

Nos últimos dias, tentei persuadir meus colegas que seria excêntrico trocar o governo quando estamos entregando tanto, quando temos um mandato tão vasto e, quando estamos apenas alguns pontos atrás nas pesquisas, mesmo depois da metade do mandato e alguns meses de ataques implacáveis, quando o cenário econômico é tão difícil doméstica e internacionalmente.

Eu me arrependo de não ser bem-sucedido nesta argumentação, é doloroso não conseguir ver a conclusão de tantas ideias e projetos por mim mesmo. Mas, como vimos, em Westminster, a mentalidade de rebanho é poderosa, e quando o rebanho segue em frente, ele segue em frente. Meus amigos, na política, ninguém é remotamente indispensável.

Nosso sistema brilhante e darwinista vai produzir outro líder tão comprometido a levar este país a frente através de tempos difíceis, não só ajudar as famílias a prosseguirem, mas mudando e melhorando o jeito de se fazer as coisas, cortando os fardos para as empresas e os impostos, porque esta é a maneira de gerar crescimento e renda que precisamos para custear grandes serviços públicos.

Ao novo líder, onde quer que ele ou ela esteja, eu te apoiarei o máximo que conseguir. E ao povo britânico, sei que haverá muitas pessoas aliviadas e outras desapontadas. Quero que vocês saibam o quanto estou triste de desistir do melhor trabalho do mundo.

Quero agradecer a Carrie, nossos filhos e todos os membros da nossa família, que tiveram que aguentar tanto e por tanto tempo. Quero agradecer o serviço civil britânico, pela ajuda e apoio que deram à nossa polícia, aos nossos serviços de emergência e claro, o nosso serviço de saúde, que em um momento crítico, ajudou a estender meu mandato. Agradecer nossas forças armadas e nossos ministérios que são tão admirados em todo o mundo, e nossos incansáveis membros e apoiadores do partido conservador, cujas campanhas altruístas fazem a nossa democracia possível.

Quero agradecer aos funcionários maravilhosos da residência oficial, Chequers, nossos fantásticos detetives, o único grupo que nunca vaza.

Sobretudo, agradecer a você, o povo britânico, pelo privilégio que me deram. Quero que saibam que daqui até o novo governo ser implementado, serviremos aos seus interesses e o governo do país continuará.

Ser primeiro-ministro foi uma experiência educativa, eu viajei a todas as partes do Reino Unido, e além da beleza da natureza, encontrei tantas pessoas com tanta originalidade britânica e vontade de resolver todos os nossos problemas de novas formas, que sei que mesmo que as coisas pareçam sombrias agora, nosso futuro é dourado.

Obrigada a todos.

Internacional