EUA: Piloto brasileira morre em acidente de avião ao combater incêndio

A piloto Juliana Turchetti, de 45 anos, primeira brasileira a voar turboélice nos Estados Unidos, morreu na quarta-feira (10) em um acidente aéreo enquanto realizava operação de combate a um incêndio florestal, próximo à cidade de Helena, em Montana (EUA).

O que aconteceu

Informação foi confirmada por Leo Dutton, xerife do condado. O acidente aconteceu por volta das 12h10, no momento em que três aviões-tanque monomotores estavam pegando água para apagar os focos de incêndio. O primeiro avião fez um voo bem-sucedido, mas o segundo avião, no qual Juliana estava sozinha, atingiu supostamente um banco de areia e se despedaçou na água, conforme relatou o agente ao site Daily Montanan.

Barcos de busca e salvamento foram acionados. O corpo da piloto brasileira foi encontrado por volta das 17h. "Estava enchendo e então, de repente, não sei se ele pegou uma onda ou o que ele fez... mas nós só vimos uma grande coluna de fumaça", disse Lorrie Bernardi, que testemunhou o acidente.

Governadores de Montana e Idaho lamentam morte de piloto. Greg Gianforte e Brad Little, respectivamente, disseram, em comunicado conjunto, que ficaram "profundamente tristes" ao saber da morte da brasileira.

Nossos primeiros socorristas e bombeiros florestais arriscam suas vidas para responder rapidamente às ameaças e proteger nossas comunidades. É um verdadeiro ato de bravura correr em direção ao fogo. Nós nos juntamos a todos em oração pela família e amigos do herói caído durante este momento trágico. Trecho do comunicado

O NTSB (Conselho Nacional de Segurança nos Transportes) e o FAA (Administração Federal de Aviação) irão investigar o caso.

Tratada como heroína. Natural de Contagem (MG), Juliana é considerada a primeira piloto brasileira a voar um turboélice e um FireBoss nos Estados Unidos. Os três FireBoss que realizavam a operação pertencem a uma que trabalha para o USDA (Serviço Florestal dos Estados Unidos, na tradução livre). Até o momento, o USDA não se manifestou oficialmente sobre o acidente.

O acidente teria ocorrido enquanto Juliana durante a manobra de "scooping" ou reabastecimento de água. Nessa manobra, o avião sobrevoa rio ou represa, recolhe a água e volta novamente para o combate ao incêndio.

Como profissional, procurou constantemente demonstrar ao mundo a importância da aviação agrícola na vida de todas as pessoas. Aliás, apresentou a todos o que o setor tem de melhor. Juliana atuou como uma heroína, o que foi reconhecido inclusive pelas autoridades norte-americanas. E é assim todo o setor aeroagrícola brasileiro vai se lembrar para sempre dela. Nota do Sindag (Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola do Brasil)

Deixe seu comentário

Só para assinantes