O peixe que se 'adaptou' à poluição e vive dentro de garrafa jogada no oceano

Quando mergulhava com sua câmera em uma praia da ilha espanhola Grã Canária, na costa da África, o fotógrafo brasileiro Leonardo Merçon viu uma cena curiosa.

"Eu estava lá registrando a biodiversidade do local e me deparei com uma garrafa, latas e outros objetos. Mas vi que um determinado peixinho sempre voltava para dentro da garrafa."

Era uma maria-da-toca (Parablennius pilicornis), espécie da região, que fez sua casa em um recipiente jogado no mar.

Para Merçon, que tem uma ONG de conservação e planeja registrar o maior número possível de espécies, a cena é "triste", já que ilustra o acúmulo de lixo nos mares.

De acordo com a ONU, o lixo comum - especialmente o plástico - é um dos principais fatores de poluição dos oceanos em todo o mundo.

Em janeiro passado, um estudo apresentado no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, sugeriu que se for mantido o atual ritmo de poluição dos mares, em 2050 haverá mais plástico que peixes no oceano - por peso.

Em 2017, o Brasil tornou-se o 30º país a apoiar oficialmente a campanha global do órgão contra o problema.

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, o país se comprometeu a criar um Plano Nacional de Combate ao Lixo no Mar e apoiar a criação do Santuário das Baleias do Atlântico Sul e de Áreas Protegidas Marinhas.
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos