PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

Pesquisadora relata intimidações por estudo com agrotóxicos e sairá do país

A pesquisadora Larissa Mies Bombardi escreveu um carta aberta ao Departamento de Geografia da USP comunicando seu afastamento - Reprodução/Instagram
A pesquisadora Larissa Mies Bombardi escreveu um carta aberta ao Departamento de Geografia da USP comunicando seu afastamento Imagem: Reprodução/Instagram

Carolina Marins

Do UOL, em São Paulo

23/03/2021 04h00Atualizada em 23/03/2021 21h15

"Completei 49 anos na última semana, 31 dos quais vividos no Departamento de Geografia", começa a carta aberta escrita pela pesquisadora da USP (Universidade de São Paulo) Larissa Mies Bombardi. Em um desabafo de sete páginas, ela conta que decidiu sair do Brasil devido a intimidações por suas pesquisas envolvendo agrotóxicos.

Entre abril e maio de 2019, Larissa publicou na Europa a versão em inglês do atlas "Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia". A pesquisadora diz que passou a ser intimidada pelo trabalho.

"Em junho de 2019, recebi indicação de lideranças de movimentos sociais para que eu evitasse os mesmos caminhos, para que eu alterasse os meus horários, para que alterasse a minha rotina, de forma a me proteger de possíveis ataques dos setores econômicos envolvidos com a temática sobre a qual eu me debruço", relata a professora em carta obtida pelo UOL.

Eu me perguntava: como uma mulher, mãe de dois filhos, única responsável pelas crianças e pela rotina das crianças poderia mudar algo na rotina?
Larissa Mies Bombardi em carta aberta aos colegas do Departamento de Geografia da USP

E continua: "Nesse mesmo mês, uma série de outras intimidações ao meu trabalho passaram a acontecer, especialmente após a maior rede de supermercados orgânicos da Escandinávia ter boicotado os produtos brasileiros, a partir do conhecimento do conteúdo do Atlas, lançado no mês anterior em Berlim".

O Atlas, que já havia sido publicado em português em 2017, detalha o uso de agrotóxicos em cada região e estado brasileiro, traz dados de morte por intoxicação em cada local, quais países europeus importam produtos brasileiros com agrotóxicos e expõe a presença de resíduos agrotóxicos nos alimentos e água potável em comparação com o limite europeu.

Entre os riscos à população brasileira, a pesquisa destaca: "contaminação ambiental, intoxicações, tentativas de suicídio, malformações congênitas e doenças crônicas".

Na carta, Larissa conta que buscou a ajuda de colegas e também da diretora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, professora Maria Arminda Arruda. Por orientação deles, desistiu naquele ano de participar de uma palestra para a qual havia sido convidada pelo Ministério Público de Santa Catarina.

Tanto Maria Arminda quanto o reitor da USP, Vahan Agopyan, sugeriram que Larissa saísse do país por um tempo. O reitor, inclusive, ofereceu a Guarda Universitária para fazer a segurança dela dentro do campus, o que Larissa recusou.

Além dos colegas da USP, ela conta que recebeu apoio do Fórum Nacional de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e também de parlamentares de Bruxelas, onde foi convidada para um evento em dezembro de 2019.

Desde então eu tenho tentado me estruturar para me proteger e aos meus filhos.
Larissa Mies Bombardi em carta aos colegas da USP

Ela planejava deixar o país desde março de 2020, mas adiou devido à pandemia. Em agosto daquele ano, sua casa foi assaltada e levaram seu computador. "Era um laptop antigo de baixíssimo valor, mas que tinha todo o meu banco de dados. Felizmente eu tinha um 'back-up' em outro local, em um HD externo escondido, que não foi encontrado."

Inicialmente ela não suspeitou que o assalto pudesse ter ligação com seu trabalho, mas, após o questionamento de um parente, passou a pensar nessa possibilidade.

Após o assalto, ela deu entrada no seu pedido de afastamento da USP.

Em 2020 e janeiro de 2021 ela relata ter recebido novas intimidações após a publicação de artigos sobre a "correspondência espacial entre suinocultura e covid-19". "Este tem sido o cotidiano de meu trabalho e de outros tantos colegas envolvidos com este tipo de temática."

Acho que os motivos profissionais já são mais do que conhecidos pelos colegas do Departamento e estão suficientemente descritos e documentados no Pedido de Afastamento que apresentei ao Conselho no último dia 10 de fevereiro.
Larissa Mies Bombardi em carta aos colegas da USP

A pesquisadora começará em abril os estudos na Universidade Livre Bruxelas, onde conquistou uma bolsa. "Penso que ela será um passo importante para minha pesquisa, mas que também terá importância para o departamento", diz.

"Com profundo carinho e gratidão pelo Departamento de Geografia da USP que foi e é, sem dúvida, uma grande estrutura de minha formação como pessoa, despeço-me dos colegas e coloco-me à disposição para conversar e prestar quaisquer esclarecimentos", finaliza.

O UOL procurou a professora por telefone e e-mail, mas não obteve sucesso. Em nota, a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, onde o Departamento de Geografia se localiza, repudiou as intimidações sofridas pela professora.

"A Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, através de sua direção, repudia qualquer tipo de constrangimento, intimidação, ameaça, ataque que a professora Larissa Mies Bombardi, do Departamento de Geografia, passou a sofrer devido ao tema de suas pesquisas. Pois, a faculdade defende a liberdade de cátedra e de expressão, que devem estar presentes em uma sociedade democrática, republicana e que valoriza a ciência."

Segundo a nota, o pedido de afastamento da docente ainda não chegou oficialmente às mãos da diretoria da faculdade, por isso a Universidade ainda não pôde se manifestar.

Larissa Bombardi é graduada, mestre, com doutorado em geografia pela USP e pós-doutorado pela Universidade Federal Fluminense. Segundo seu currículo Lattes, ela tem se dedicado ao estudo de agrotóxicos na agricultura brasileira nos últimos cinco anos.

Meio Ambiente