STF suspende adoção de voto impresso nas eleições

Felipe Amorim

Do UOL, em Brasília

Por 8 votos a 2, o STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quarta-feira (6) suspender a adoção do voto impresso nas eleições.

O voto impresso foi definido pelo Congresso Nacional na minirreforma eleitoral de 2015 e deveria começar a ser implementada nas eleições desse ano, em 5% das urnas, ao custo de R$ 57 milhões.

A exigência da impressão do voto foi contestada no STF pela PGR (Procuradoria-Geral da República), que afirma que a medida representa um "retrocesso para o processo eleitoral", amplia a possibilidade de fraudes e ameaça o sigilo do voto.

O STF concedeu o pedido de liminar (decisão provisória) feito pela PGR para suspender a validade da exigência da adoção do voto impresso feito pela lei de 2015. O caso deverá voltar a ser julgado em definitivo pelo STF, mas não há prazo para que isso aconteça.

Após o resultado do julgamento, o ministro Luiz Fux, atual presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), informou que iria cancelar a licitação para a aquisição das urnas com impressora. Fux não votou nesse julgamento por se declarar suspeito, já que como presidente do TSE foi o responsável pela implantação das urnas nas eleições. 

Votaram a favor da suspensão do voto impresso os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Marco Aurélio, Ricardo Lewandowski, Celso de Mello e Cármen Lúcia.

Os ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli foram os únicos favoráveis à manutenção da medida. Eles entenderam que a lei da minirreforma eleitoral não poderia ser considerada inconstitucional, pois a escolha do modelo de votação estaria dentro das atribuições do Congresso Nacional.

Luiz Fux declarou-se suspeito e não votou.

A maioria dos ministros, no entanto, entendeu que a impressão ameaça o sigilo do voto e que as urnas eletrônicas atuais são seguras, sem registro de fraudes.

Para o ministro Alexandre de Moraes, a impressão representa um risco ao sigilo do voto e, com isso, pode trazer a ameaça de pressão sobre os eleitores para escolher determinado candidato.

"A possibilidade de identificação do eleitor afeta o sigilo do voto e ao afetar sigilo do voto permite aumento de pressões em relaçao ao eleitor para que ele vote no sentido A ou no sentido B", disse Moraes.

Luís Roberto Barroso afirmou não haver registro de fraudes à urna eletrônica e disse que a impressão do voto traz mais riscos às eleições que benefícios.

"A impressão do voto possivelmente trará mais riscos e insegurança do que será capaz de prevenir fraudes. Os controles atualmente existentes são suficientes, não envolvem custos elevados e nada documenta que tenha havido quebra da segurança ou tenha havido fraude", disse Barroso.

O relator da ação, Gilmar Mendes foi a favor da legalidade da lei que criou o voto impresso, mas defendeu que o dispositivo seja implantado de acordo com a capacidade técnica e financeira da Justiça Eleitoral.

"Eu não entendo como ilegítima a proposta de o Congresso adotar o voto eletrônico com voto impresso, mas considero que esse processo há de se fazer de maneira segura", afirmou o ministro.

Em seu voto, Gilmar criticou especulações a respeito de fraude à urna eletrônica nas eleições de 2014, quando o PSDB pediu uma auditoria nas urnas após Aécio Neves (PSDB) ser derrotado por Dilma Rousseff (PT).

"Depois de proclamado o resultado surgiu essa imensa lenda urbana de que teria ocorrido manipulação dos resultados. O próprio candidato perdedor pediu auditoria no TSE [Tribunal Superior Eleitoral], e foi feito com os peritos que ele indicou e, de fato, certamente nem os mais entusiasmados dos seus defensores seriam capazes de não reconhecer que ele perdeu a eleição não por problema da urna eletrônica mas porque lhe faltou voto em Minas [Gerais, estado de Aécio]", disse Gilmar Mendes.

Os ministros também reafirmaram a segurança da urna eletrônica e afirmaram que a impressão do voto pode aumentar o número de ações na Justiça Eleitoral.

"Não há nenhum indício de fraude generalizada", disse Moraes. "Não vai faltar candidato derrotado para alegar que houve fraude ou que há discrepância [entre voto eletrônico e voto impresso]", afirmou Barroso.

O modelo de urna eletrônica com voto impresso funciona da seguinte forma. Após o eleitor confirmar seu voto na urna eletrônica, será impresso em um papel a opção escolhida. Esse papel poderá ser conferido por meio de um visor e o eleitor não terá contato com a impressão.

Depois de conferir a impressão, o eleitor dará uma nova confirmação, e a urna eletrônica depositará o papel num espaço lacrado, de forma automática, onde ficarão armazenados os votos impressos.

Gilmar Mendes diz que não houve fraude na eleição de 2014

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos