Datafolha: PT comemora, Bolsonaro critica, e Alckmin espera crescer com TV

Do UOL, em São Paulo

  • Alan Marques/Folhapress

    Datafolha aponta Lula com 30% das intenções de voto; Bolsonaro assume a liderança em cenários que petista não aparece

    Datafolha aponta Lula com 30% das intenções de voto; Bolsonaro assume a liderança em cenários que petista não aparece

Enquanto o PT comemorou a liderança do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas intenções de voto, segundo pesquisa Datafolha divulgada neste domingo (10), o candidato Jair Bolsonaro (PSL-RJ) criticou o instituto. 

Preso há dois meses, o petista tem 30% das intenções de voto no primeiro turno, de acordo com o levantamento realizado em 6 e 7 de junho. Bolsonaro lidera nos cenários em que Lula está ausente, com 19% das preferências.

A ex-senadora Marina Silva (Rede) aparece na sequência, com até 15% das intenções de voto. O ex-ministro Ciro Gomes (PDT), que oscila entre 10 e 11%, e o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), que tem 7%, estão tecnicamente empatados.

Veja também:

"O Brasil já sabe que vai ser feliz de novo. Lula, além de ser líder isolado, vence em todos os cenários", diz a publicação da conta oficial do PT no Twitter. 

Já o deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ) publicou um vídeo na rede social em que critica o Datafolha. O candidato classifica a pesquisa de "vexame" e diz que outro instituto o aponta como líder nas pesquisas.

Bolsonaro criticou também as simulações do Datafolha para um eventual segundo turno. O candidato aparece tecnicamente empatado com o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB), mas perderia a disputa contra Marina Silva (Rede).

Em nota, o diretor do Datafolha, Mauro Paulino, disse que "pesquisas presenciais, como as do Datafolha, cujas entrevistas são realizadas por profissionais que abordam pessoalmente os entrevistados, não são comparáveis com outras feitas por robôs telefônicos. É claro que candidatos irão defender aquelas que os beneficiam. O Datafolha mantém o mesmo padrão de qualidade em seus levantamentos desde sua fundação, em 1983".

"Boas notícias" para a campanha de Alckmin 

Para a campanha de Geraldo Alckmin, o Datafolha "traz boas notícias" ao apontar o tucano como líder entre o que chama de candidatos de centro, com uma boa margem de crescimento e uma redução no índice de rejeição. "Temos certeza que vamos para o segundo turno", afirmou Luiz Felipe D'Ávila, coordenador do plano de Governo do PSDB.

O partido aposta no início do horário eleitoral, previsto para 31 agosto, para alavancar a popularidade de Alckmin, que, com 7%, tem o índice mais baixo do PSDB em quase 30 anos. "Com a pulverização no número de candidaturas, não há como comparar essa disputa com as passadas", disse D'Ávila.

"Temos que dialogar com os 30% que não têm candidato", diz Marina

No final da tarde de domingo, a pré-candidata Marina Silva (REDE) divulgou nota em que afirma que é preciso dialogar com os 30% dos eleitores que ainda não têm candidato ou pretendem votar em branco ou nulo.

"A pesquisa DataFolha de hoje é o retrato de um momento e indica que ainda temos muito trabalho pela frente. Agradeço as pessoas que tem manifestado apoio e acreditado no projeto que temos defendido para o Brasil. Temos ainda que buscar formas de dialogar com os cerca de 30% de eleitores que poderiam votar em branco, nulo, em ninguém ou ainda não sabem em quem irão votar."

De acordo com Marina, a eleição suplementar esse ano no Tocantins "serve de alerta", pois quase a metade dos eleitores votou nulo, branco ou se absteve de votar.

"A sociedade brasileira está indignada e com toda razão. Isso aumenta nossa responsabilidade e compromisso em debater e apresentar propostas que possam efetivamente melhorar a vida dos brasileiros e tirar o país dessa grave crise. Vamos seguir nessa missão para unir a sociedade a favor do Brasil."

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos