Brasil tem 147 milhões de eleitores; menos adolescentes estão aptos a votar

Mirthyani Bezerra

Do UOL, em São Paulo

  • Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

    O presidente do TSE, ministro Luiz Fux, fala a imprensa sobre o perfil do eleitorado

    O presidente do TSE, ministro Luiz Fux, fala a imprensa sobre o perfil do eleitorado

O Brasil ganhou 4,5 milhões de eleitores em comparação com as últimas eleições gerais realizadas em 2014. Atualmente, o país tem 147,3 milhões de pessoas aptas a votar nas eleições marcadas para o dia 7 de outubro, representando um aumento de 3,1%.

Em 2014, quando a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) foi reeleita, 142,8 milhões estavam com situação regular na Justiça Eleitoral e puderam exercer escolher os seus representantes no Legislativo e Executivo federal e estadual.

No entanto, o número de jovens menores de idade aptos a votar caiu: passou de cerca de 1,6 milhão, em 2014, para 1,4 milhão em 2018. Isso representa uma redução de 14,4% no número de eleitores faixa etária. Essa parcela do eleitorado não é obrigada a votar, assim como as pessoas que têm mais de 70 anos. 

Os dados sobre o eleitorado brasileiro foram divulgados pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na manhã desta quarta-feira (1º) e reúnem as estatísticas auditadas até o final de julho, após o fim do prazo dado para expedição de novos títulos de eleitores e modificações cadastrais.

Segundo a Justiça Eleitoral, o eleitor médio brasileiro é:

  • mulher (52,5%),
  • tem entre 45 e 59 anos de idade (24,3%)
  • solteiro (59,6%)
  • tem o ensino fundamental incompleto (25,8%)
  • vive em São Paulo

O estado continua sendo o maior colégio eleitoral do Brasil, com mais de 33 milhões de cidadãos em condições de votar. A cidade de São Paulo é o município com maior número de eleitores: 9.052.724.

Ao todo, 1.409.774 eleitores não poderão votar ou receber votos neste ano por estarem com os direitos políticos suspensos.

Cresce 41% número de eleitores no exterior

O número de pessoas que votarão para presidente fora do Brasil nas eleições deste ano teve um aumento de 41% em relação a 2014. Naquele ano, 354.184 registraram ou justificaram o voto junto às embaixadas brasileiras. Este ano, há 500.727 eleitores cadastrados para voto no exterior.

Segundo o TSE, o aumento pode ser explicado pela facilitação do cadastro de brasileiros residentes no exterior na Justiça Eleitoral, após parceria do tribunal com o Ministério das Relações Exteriores. A Justiça Eleitoral cita a criação do Título Net Exterior e e-título, que substitui o documento em papel, como medidas de facilitação do alistamento e da transferência do eleitor que reside lá fora. Antes, a versão impressa precisava ser transportada por mala diplomática para chegar ao eleitor residente em outro país, o que dificultava o processo.

Maioria feminina e nome social de trans

Com 52,5% do total dos eleitores aptos a votar, a maioria do eleitorado continua feminino. São ao todo 77.337.918 eleitoras cadastradas na Justiça Eleitoral e em condições de escolher seus representantes. Houve um leve crescimento dessa parcela de eleitores em relação a 2014, quando as mulheres representavam 52,1% do total. Os homens representam 47,5% dos eleitores.

Neste ano, pela primeira vez, transexuais e travestis terão o nome social expresso no título de eleitor e no caderno de votação. A medida foi aprovada em março pelo TSE. Ao todo, 6.280 pessoas solicitaram a inclusão do nome social no título de eleitor e no caderno de votação.

Nº de eleitores com mais de 70 cresceu 

Enquanto o número de adolescentes aptos a votar caiu, o número da parcela da população cujo voto também é facultativo aumentou. O número de eleitores com mais de 70 anos cresceu 11,1% em comparação às eleições de 2014, passando de um pouco mais de 10,8 milhões para 12 milhões, em 2018.

A maioria dos eleitores brasileiros está entre a faixa etária de 45 e 59 anos de idade, correspondendo a 24,3% do eleitorado nacional. Ela é seguida dos que tem entre 25 a 34 anos e que representam 21,2 % do total de eleitores.

Metade dos eleitores usará biometria

Metade dos eleitores vai usar a digital para se identificar nas sessões eleitorais. A identificação biométrica será obrigatória para 50% dos eleitores. O número cresceu 240% em relação à eleição anterior, quando 15,2% do eleitorado usou a identificação digital na hora do voto.

O número de eleitores com deficiência, ou seja, aqueles que precisam de atendimento especial no dia da votação e podem votar em seções adaptadas pela Justiça Eleitoral quase dobrou. Ao todo, 940.613 eleitores declararam ter algum tipo de deficiência ou mobilidade reduzida. Em 2014, esse número era 436.550.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos