Temer rebate Alckmin e lista ministros que apoiam tucano: "Fale a verdade"

Do UOL, em São Paulo

O presidente Michel Temer (MDB) usou as redes sociais na noite desta quarta-feira (5) para responder os ataques que sofreu por parte de Geraldo Alckmin, candidato do PSDB à Presidência da República.

Em tom mais elevado do que seu habitual, Temer rebateu o tucano, que durante a campanha tem associado o presidente ao governo da antecessora Dilma Rousseff (PT), hoje candidata ao Senado por Minas Gerais.

"Geraldo Alckmin, candidato à Presidência da República, eu me dirijo a você, pelas falsidades que você tem colocado no seu programa eleitoral e eu não posso silenciar", inicia Temer.

Ao longo do vídeo, ele lista ministros de seu governo que integram partidos que, na eleição deste ano, apoiam Geraldo Alckmin à Presidência.

"Você diz que a educação foi um desastre", afirmou Temer. "Mas você sabe quem foi o meu ministro da Educação? Mendonça Filho, do DEM, um partido que apoia a sua candidatura".

Em seguida, ele diz que Alckmin critica "indevidamente" o trabalho executado por Ricardo Barros à frente da Saúde e lembra que o PP, responsável por três pastas do governo Temer, também apoia o ex-governador de São Paulo.

Temer ainda cita Marcos Pereira, do PRB, ex-ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços do Brasil, e diz que o PTB comandou por muitos anos o Ministério do Trabalho. PRB e PTB hoje integram a coligação de Alckmin.

Durante o vídeo, o presidente ainda pede a Alckmin para não ouvir os marqueteiros e não faltar com a verdade.

"Nas vezes em que te apoiei, achei que você era diferente. Não atenda o que dizem os seus marqueteiros. Atenda apenas a verdade. E a verdade é que nós fizemos muito por essas áreas conduzidas por aqueles que hoje apoiam a sua candidatura", disse Temer. 

Mudança de postura

O vídeo de Temer mostra uma mudança e tanto na postura do presidente em relação ao candidato do PSDB. Em meados de agosto, Temer deu uma entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, afirmando que Alckmin parecia ser o candidato do governo, embora o seu partido tenha presidenciável próprio, Henrique Meirelles (MDB), exatamente ex-ministro da Fazenda de Temer.

O tucano, no entanto, tem preferido se afastar do presidente, cuja taxa de popularidade é a mais baixa da história recente do país.

A campanha do candidato do PSDB, criticado por ter firmado uma aliança com os partidos do Centrão e presidente de uma legenda que apoiou grande parte das medidas do governo Temer, resolveu apontar o atual presidente como corresponsável pela crise que o Brasil atravessa em diversas áreas.

Em uma delas, um locutor fala sobre os "13 milhões de desempregados" registrados nos últimos quatro anos enquanto um casal toma café. "O desemprego é cruel. Faz a família toda sofrer. Economia tem que gerar emprego. O presidente ... - Veja mais em https://noticias.uol.com.br/politica/eleicoes/2018/noticias/agencia-estado/2018/09/04/alckmin-associa-dilma-a-temer-em-propaganda-na-tv.htm?cmpid=copiaecola

Em um dos comerciais, por exemplo, um locutor fala sobre os "13 milhões de desempregados" registrados nos últimos quatro anos, enquanto um casal toma café. "O desemprego é cruel. Faz a família toda sofrer. Economia tem que gerar emprego".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos