General Mourão cita "branqueamento da raça" ao falar que seu neto é bonito

Antonio Temóteo

Do UOL, em Brasília*

  • Antonio Temóteo/UOL

    General Hamilton Mourão abraça o filho e o neto (à esquerda) ao desembarcar em Brasília

    General Hamilton Mourão abraça o filho e o neto (à esquerda) ao desembarcar em Brasília

Após conversar com jornalistas ao desembarcar no aeroporto de Brasília, o candidato a vice na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), general Hamilton Mourão (PRTB), deu mais uma declaração polêmica neste sábado (6), véspera do primeiro turno da eleição. Ele era aguardado no local por um dos filhos e um dos netos. Ao elogiar o jovem, Mourão afirmou que ele representava o "branqueamento [sic] da raça". "Gente, deixa eu ir lá que meus filhos estão me esperando. Meu neto é um cara bonito, viu ali. Branqueamento da raça", afirmou no fim da conversa, dando gargalhada.

O filho que o esperava disse que a família iria para casa descansar, votar de manhã e aguardariam o resultado das urnas.

Mourão afirmou que está confiante em uma vitória de Bolsonaro em primeiro turno. Conforme ele, há uma onda crescente de apoio ao ex-capitão do Exército.

"Existe uma onda verde e amarela que se agigantou nos últimos dias. A gente anda pela rua e vê as pessoas falando. E poucos estão contra", disse ao desembarcar no Aeroporto de Brasília.

Mourão disse que se houver um segundo turno, Bolsonaro deve participar dos debates e justificou a ausência diante da impossibilidade de falar por mais de 15 minutos.

Questionado pelos repórteres sobre o fato de Bolsonaro ter concedido três entrevistas com mais de 15 minutos, Mourão defendeu Bolsonaro. "Sentado é diferente. Outra coisa é a tensão de debate. Muitas vezes, a emoção pode aflorar e não é bom", disse.

Diante da possibilidade de segundo turno, Mourão ainda afirmou que o Fernando Haddad (PT) seria o melhor a ser enfrentado. "Lógico. Eu sou do Exército, vocês sabem disso. A Infantaria tem um ditado que diz o seguinte: o que vier nós traça [sic]", afirmou.

Ele também comentou as declarações de Bolsonaro no Twitter, sobre partidos e candidatos sinalizando apoio à chapa. "É aquela historia do balcão de negócios. Tem muita gente desembarcando, querendo colocar o pino nesse avião e entrar. É para mostrar a coerência sobre o que a gente vinha pensando", afirmou.

Apesar dos riscos de conflitos entre eleitores contra e a favor de Bolsonaro apontados pelo Ministério da Defesa, Mourão disse não acreditar que isso ocorrerá. "Nós somos dois candidatos oriundos do Exército de Caxias, o Pacificador. Então vamos pacificar as coisas. Queremos a união de todos os brasileiros. Você tem o seu pensamento, eu tenho o meu e ele tem o dele, mas somos todos brasileiros", disse.

As polêmicas envolvendo Mourão foram recorrentes durante a campanha. Em palestra na CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) de Uruguaiana (RS) na semana passada, Mourão prometeu, a uma plateia composta por empresários e representantes de associações e sindicatos patronais, a realização de reformas tributária e trabalhista em um eventual governo Bolsonaro.

Ao se referir especificamente à reforma trabalhista pretendida, Mourão classificou como "jabuticabas" direitos trabalhistas que acabam onerando, segundo ele, os patrões, e elencou entre elas o 13º salario –garantido pela CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas), em legislação de 1943.

"Temos algumas jabuticabas que a gente sabe que é uma mochila nas costas de todo empresário. Jabuticabas brasileiras: 13º salário. Se a gente arrecada 12, como é que nós pagamos 13 [salários]?", definiu.

"É complicado, e é o único lugar em que a pessoa entra em férias e ganha mais, é aqui no Brasil. São coisas nossas, a legislação que está aí, é sempre aquela visão dita social, mas com o chapéu dos outros, não é com o chapéu do governo", classificou.

No dia 17 do mês passado, o general da reserva também declarou que crianças criadas por "mãe e avó" em "áreas carentes" tendem a virar "elementos desajustados" e ingressar em "narcoquadrilhas" e chamou de "mulambada" países emergentes aliados do Brasil durante os governos petistas. (*Colaborou Gustavo Maia, do Rio)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos