Bolsonaro confirma 3 possíveis ministros e diz que pode não ir a debates

Mirthyani Bezerra

Do UOL, em São Paulo*

  • UOL

O candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, citou nesta quinta-feira (11) três nomes que deverão compor o seu rol de ministros caso seja eleito: o deputado Onyx  Lorenzoni (DEM-RS) deverá ser o seu ministro da Casa Civil; o general da reserva do Exército Augusto Heleno iria para a Defesa; e o economista Paulo Guedes, para a Economia. A declaração foi dada durante entrevista do presidenciável à rádio CBN.

Bolsonaro afirmou que terá 15 ministros ao todo ao ser questionado se já pensou no nome de alguma mulher para comandar algumas das pastas. "Pode ser tudo gay, tudo afrodescente, tudo mulher. Isso vamos discutir depois das eleições. Eu já citei o Paulo Guedes, citei o Onyx Lorenzoni e o general Heleno na Defesa. O povo quer que ministro dê conta do recado", disse.

Durante evento com deputados eleitos pelo PSL e parlamentares que manifestaram apoio à sua candidatura, em um hotel na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, realizado na manhã de hoje o suplente de Flávio Bolsonaro, eleito senador pelo Rio de Janeiro, Paulo Marinho, já havia ventilado que os três nomes já estavam confirmados como ministros caso Bolsonaro seja eleito.

Leia mais:

Ele adiantou que o empresário Nabhan Garcia, da UDR (União Democrática Ruralista), não será ministro da Agricultura. "O futuro ministro da Agricultura e Meio Ambiente vai ser indicado pelo setor produtivo", comentou. "Não teremos mais briga nesta área."

Bolsonaro assume que pode não ir a debates por estratégia

Os médicos que cuidam da recuperação de Bolsonaro informaram que ele não está liberado para participar de agendas de campanha na rua nem de debates na televisão até passar por nova avaliação, que deve acontecer na próxima quinta-feira (18). "Existe a possibilidade, sim, de estratégia [de não ir aos debates]. Eu estou vendo o Haddad me desafiando agora: quero que você diga o que fez 28 anos dentro do Parlamento. Eu digo: não roubei ninguém, Haddad", disse Bolsonaro em reunião com aliados no Rio, mais cedo.

Já na CBN, o presidenciável voltou a admitir que pode ter como estratégia de campanha não ir a debates com Haddad (PT), dando como justificativa que ele seria um "ventríloquo de Lula".

"Vou debater com Haddad ou ventríloquo do Lula? Gostaria de fazer uma pergunta para Haddad: ele vai permitir que crime organizado seja comandado dentro do presídio [se for presidente]?", questionou fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde abril em Curitiba. "Não vai ser ele [o presidente], não adianta debater", disse, ao ser questionado por uma jornalista da CBN.

Bolsonaro afirmou ainda que não faria questão de ir a debates apresentar suas propostas porque os eleitores dele o conhecem. "Eu não comecei agora", disse, referindo-se à sua trajetória na política.

"Estrategicamente eu posso decidir não ir. Se ele quiser debater comigo, só nós dois, eu perguntando a ele e ele perguntando para mim, eu vou", disse.

Sobre apoiar a ditadura militar: "eu evoluí"

Bolsonaro disse ter "evoluído" ao longo desses 20 anos como parlamentar ao ser questionado pela CBN sobre suas declarações em apoio à ditadura militar.

Em entrevistas, reuniões e em discurso no plenário da Câmara, ex-militar afirmou por diversas vezes não acreditar em solução para o Brasil por meio do voto popular. Em 1999, durante uma entrevista não só afirmou que não acreditava que houvesse solução por meio da democracia, como defendeu a morte de "30 mil", incluindo a de civis e a do então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

"Só vai mudar, infelizmente, no dia em que partir para uma guerra civil aqui dentro, e fazendo o trabalho que o regime militar não fez. Matando uns 30 mil, começando pelo FHC, não deixar ele para fora não, matando! Se vai morrer alguns inocentes, tudo bem, tudo quanto é guerra morre inocente", disse no programa Câmera Aberta.

"Isso foi já 20 anos. Esse discurso ao longo da carreira não coloca em xeque seu compromisso com democracia. Temos um parlamento independente, como vamos falar em fechar o Congresso? Sobre o Fernando Henrique Cardoso, tem 20 e poucos anos que eu falei isso. Eu reagi a ele. A gente evolui. Quando eu for presidente, vai ser daqui para frente", disse hoje na entrevista.

O presidenciável do PSL evitou falar sobre suas homenagens ao coronel Carlos Brilhante Ustra, conhecido torturador durante a ditadura militar. "Sobre o Ustra, nunca teve uma condenação transitada em julgado contra ele", disse, completando que "o outro lado vocês nunca condenam". "Temos que parar de olhar o passado e ver futuro", conclui. (*Colaborou Hanrrikson de Andrade, do Rio)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos