Não tenho controle se tem gente fazendo isso, diz Bolsonaro sobre WhatsApp

Gustavo Maia

Do UOL, no Rio

  • Pedro Ladeira/Folhapress

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) respondeu na tarde desta quinta-feira (18) a reportagem do jornal "Folha de S. Paulo" que revelou a compra de pacotes de disparos em massa de mensagens contra o PT no WhatsApp por empresas.

"Eu não tenho controle se tem empresário simpático a mim fazendo isso. Eu sei que fere a legislação. Mas eu não tenho controle, não tenho como saber e tomar providência. Pode ser gente até ligada à esquerda que diz que está comigo para tentar complicar a minha vida me denunciando por abuso de poder econômico", afirmou o candidato ao site "O Antagonista".

Leia também:

Segundo a reportagem, as empresas preparam uma grande operação na semana que vem, que antecede o segundo turno das eleições.

Mais cedo, pelo Twitter, Bolsonaro escreveu que "Apoio voluntário é algo que o PT desconhece e não aceita".

"Sempre fizeram política comprando consciências. Um dos ex-filiados de seu partido de apoio, o PSOL, tentou nos assassinar", atacou o presidenciável.

Ele acrescentou ainda que representa a ameaça "aos maiores corruptos da história do Brasil". "Juntos resgataremos nosso país!", concluiu.

Um de seus filhos, Carlos, também usou o Twitter para atacar a imprensa e o PT. O" jogo de grande parte da IMPRENSA em conluio com o PT é claro: O controle social DA INTERNET. Viram que perderam com a entrada do Facebook e outras redes ABERTAS, então atacam o WhattsApp porque podem especular pois não há como comprovar fatos diante de uma rede social privada", postou na rede social.

Bolsonaro passou o dia dentro de casa, na orla da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. Ele recebeu representantes da Frente Parlamentar Evangélica.

Haddad deve entrar na Justiça

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, disse que sua campanha pode entrar com pedidos de prisão por conta da denúncia.

Segundo Haddad, uma possibilidade é inclusive a de prisões em flagrante, pois se trataria de um "crime continuado" -- ou seja, que continua sendo cometido. O candidato falou também de pedidos de prisão preventiva para que haja "normalidade democrática" nesta reta final de segundo turno.

Haddad afirmou que há testemunhas de reuniões em que Bolsonaro teria pedido apoio de empresários para atuação no WhatsApp, mas não quis dar nomes. "Ele deixou rastro, e vamos atrás do rastro", disse o candidato petista.

Em nota, o PT afirmou que há "uma ação coordenada para influenciar o processo eleitoral, que não pode ser ignorada pela Justiça Eleitoral nem ficar impune" e que está tomando todas as medidas judiciais para que Bolsonaro "responda por seus crimes". O partido afirma que entrará com ação no TSE nesta quinta.

"Os métodos criminosos do deputado Jair Bolsonaro são intoleráveis na democracia. As instituições brasileiras têm a obrigação de agir em defesa da lisura do processo eleitoral", cobrou o partido em seu comunicado.

Em comentário replicado por Bolsonaro, seu filho Carlos Bolsonaro, vereador no Rio, acusou o jornal e o PT de "contar meias verdades ou mentiras descontextualizadas".

Deputado federal do Rio de Janeiro, Jean Wyllys (PSOL) entrou com uma representação na Procuradoria-Geral Eleitoral pedindo uma investigação. Para o parlamentar, o caso pode representar crime de caixa 2 e abuso de poder econômico.

Acusações de notícias falsas

A campanha petista já havia reclamado de Bolsonaro e o acusado de ter ligações com notícias falsas espalhadas nas redes sociais. Na reta final do primeiro turno, o ex-prefeito de São Paulo disse que a campanha do pesselista espalhava fake news contra sua família.

Na última quarta (17), a coligação O Povo Feliz de Novo pediu que a Polícia Federal investigue Bolsonaro e seu vice, Hamilton Mourão (PRTB), por disseminação de notícias falsas. Presidente do PT, a senadora Gleisi Hoffmann afirmou o partido subestimou o poder do WhatsApp na campanha.

Na segunda (15), o TSE determinou que Bolsonaro retirasse seis postagens de suas contas no Facebook e YouTube, todas dirigidas contra seu adversário no segundo turno da eleição.

A poucos dias do segundo turno, o TSE agiu. No entanto, seguem circulando boatos de que o petista pretenderia legalizar o incesto e a pedofilia. Segundo a mais recente pesquisa de intenção de voto do Ibope, ele está 18 pontos percentuais atrás de Bolsonaro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos