Sérgio Lima/Folhapress

Poder e Política

Apesar de viés imperialista, Brasil precisa dos vizinhos, diz Mujica

Fernando Rodrigues

Do UOL, em Brasília

O presidente do Uruguai, José Mujica, 79 anos, afirma que persiste na América Latina uma sensação sobre o Brasil ser um país imperialista. "A atitude imperial do Brasil pode ter sido consequência de sua história", afirma.

Em entrevista ao programa Poder e Política, do UOL e da "Folha", ele explica que "o mais inteligente do Brasil é que percebe que, embora seja grande, precisa de um todo para acompanhá-lo na tentativa de fazer algo na negociação mundial". O problema é que falta de integração brasileira interna prejudicaria a posição do país em foros internacionais. E ajudaria a manter a imagem de imperialista.

"Quando há a colheita do arroz no Uruguai, os caminhões começam a passar [em direção ao Brasil]. Há uma parte do Rio Grande do Sul que não gosta. Eles [os brasileiros] estão certos", diz Mujica, que falou na quinta-feira (17), na embaixada do Uruguai, em Brasília.

Mais conhecido por suas posições liberais na área de costumes –como o projeto que legalizou o plantio, venda e consumo de maconha–, Mujica é também a favor de mais integração comercial na América Latina.

Só que o Mercosul está "estagnado". Seus "organismos de arbitragem não funcionam", e tudo tem de ser feito via "chancelarias presidenciais". Para o uruguaio, "os interesses empresariais nacionais são muito fortes e não priorizam a busca da integração. O que existe de mais forte economicamente é a burguesia paulista".

Para ele, "o papel da burguesia paulista deveria ser unir aliados, tentar construir um sistema de empresas transnacionais latino-americanas. Pelo seu tamanho, tem a responsabilidade de conduzir. Mas comete um erro se quiser fagocitar porque, em vez de ganhar aliados, ganha inimigos que se opõem à integração".

"Fagocitar" é um termo emprestado da biologia. Trata-se do processo no qual ocorre a "ingestão e destruição de partículas", na definição do dicionário Houaiss –uma das funções da fagocitose seria a proteção do organismo contra infecções.

Há também a relação entre o Brasil e Argentina. "A Argentina se fecha demais. O Brasil tem paciência estratégica. Mas tudo tem o seu limite", diz Mujica. Para ele, o vizinho passa por uma situação "muito explosiva" por causa da crise com credores externos. "Somos obrigados a defender a Argentina. Se a Argentina entra em crise, todos vamos sentir (...) É uma questão estratégica".

A dificuldade da atualidade, diz Mujica, é que o mundo atravessa uma crise na política. "Não é um problema do Brasil. É um problema global. A política não governa. O processo de globalização anda solto, sem governança. E aqui as forças da economia e da política estão um pouco divorciadas". Ele diz entender os empresários, que precisam "se preocupar com todo fim de mês", mas "há necessidade de ir construindo coisas complementares".

Conhecido como Pepe Mujica, o uruguaio termina seu mandato no início de 2015, quando assumirá o presidente a ser eleito em novembro. Mujica cita o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como responsável pela maior presença do Brasil no plano externo. Diz ter sugerido uma vez ao brasileiro que comandasse a Unasul (União de Nações Sul-Americanas), mas ouviu um não como resposta.

"O Lula, que é muito astuto e inteligente, dizia-me: 'Olhe, Pepe, se eu for, eles vão dizer... o imperialismo brasileiro' ", relata Mujica. Há diferenças entre Lula e Dilma Rousseff? "Dilma é uma mulher muito trabalhadora, tenaz. Provavelmente, uma boa administradora. Não tem a personalidade política do Lula. E por algum motivo foi eleita pelo Lula, por algo foi eleita".

Se Dilma não for reeleita neste ano, Mujica não acredita "em qualquer cataclismo da política externa" ou que "signifique jogar fora todo o processo de integração".

Neste mês, ele anunciou que a implantação completa da lei que permite plantar, vender e consumir maconha será apenas em 2015, já durante o mandato de seu sucessor no comando do Uruguai. Ele não crê em recuo, mesmo se um opositor vencer.

E por que não colocar em vigor já? Por causa de uma questão agrícola: "É necessário plantá-la [a maconha] e produzi-la. As plantas têm o seu próprio ciclo. É necessário fazer estufas. Estamos fazendo as mudas. Fazendo a reprodução vegetativa. Poderão começar a florescer em janeiro, fevereiro".

Sobre o jogador de futebol Luis Suárez, suspenso depois de ter mordido um atleta da Itália durante um jogo da Copa do Mundo, Mujica se mostra compadecido. "Esse menino tem algum problema aqui [apontando para a cabeça]. Vem de um lar muito pobre. Tem a inteligência nas canelas. É brilhante nas pernas. A raiva o enfurece e ele não se domina. Era o caso de levá-lo a um hospital para tratá-lo com psiquiatra. É um problema que não se soluciona com sanções".

Acesse a transcrição completa da entrevista em português ou espanhol.

A seguir, os vídeos da entrevista (rodam em smartphones e tablets):

1) Principais trechos da entrevista com José Mujica (10:45)

2) Apesar de viés imperialista, Brasil precisa de seus vizinhos (2:31)

3) Mercosul não está bem; Argentina tem outra visão, diz Mujica (1:14)

4) Burguesia paulista erra se fagocitar empresas de fora, diz Mujica (1:42)

5) Brasil tem paciência estratégica com a Argentina, diz Mujica (1:20)

6) Precisamos ter discurso solidário sobre a dívida da Argentina, diz Mujica (2:02)

7) Sugeri a Lula que ele comandasse a Unasul, mas ele não quis, diz Mujica (2:10)

8) Afinidades entre os Brics são os problemas em comum, diz Mujica (0:35)

9) Uruguai quer refugiar 5 ou 6 presos de Guantánamo, diz Mujica  (2:32)

10) Se Dilma perder, "não acredito em cataclismo na política exterior" (2:48)

11) Luis Suárez precisa de tratamento psiquiátrico, não sanções, diz Mujica (2:12)

12) Venda de maconha atrasou pois florada será em janeiro, diz Mujica (2:11)

13) Quem é José Mujica? (1:35)

14) Íntegra da entrevista com José Mujica (58 min.)

Acompanhe Fernando Rodrigues no Twitter e no Facebook

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos