Alan Marques/Folhapress

Processo de impeachment

Heloísa Helena critica "mi-mi-mi" petista e defende novas eleições

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

  • Antonio Gaudério/Folhapress

    A vereadora Heloísa Helena, expulsa do PT por ser radical, defende novas eleições

    A vereadora Heloísa Helena, expulsa do PT por ser radical, defende novas eleições

No dia 14 de dezembro de 2003, a então senadora por Alagoas Heloísa Helena foi expulsa do PT, ao lado de outros quatro colegas, por ser classificada como "radical". À época, ainda no primeiro ano da gestão de Luiz Inácio Lula da Silva na Presidência, ela acusava o partido de se afastar de seus ideais de esquerda.

Hoje vereadora de Maceió pela Rede, ela defende que a melhor solução para a crise política seria uma nova eleição presidencial. "Como estamos em época, tal qual dizia o escritor, de 'onde aperta sai pus', melhor mesmo seria convocação de eleições gerais, e a maioria dos eleitores verdadeiramente decidiria, né?!"

Para Helena, existem "muitas alternativas nos marcos da legislação" que poderiam afastar Dilma. "Por exemplo, a que Marina [Silva] defende --apelando ao TSE para cassação de diplomas dos envolvidos na Lava Jato--, ou consulta popular em referendo revogatório como defende [o senador] Randolfe [Rodrigues, da Rede do Amapá] e outros parlamentares. Se tivéssemos um Congresso de ampla maioria com independência e autoridade moral perante o povo, também poderia ser resolvido com os procedimentos investigatórios que culminariam ou não com o impeachment", avalia.

Se dizendo surpresa com o ato confirmado nesta quarta-feira (16), a vereadora criticou a indicação de Lula ao ministério da Casa Civil. "Não acreditava que a arrogância e a confiança na impunidade os cegasse a tal ponto, mas ainda bem que tem muita gente que anda com soro antiofídico no bolso e, com todo respeito biológico às rastejantes, não correm com medo do ataque delas", atacou.


O PT e o "mi-mi-mi"

Bem ao seu estilo, Helena detona o argumento de que o PT é vítima de um "Poder Judiciário político", com interesse em derrubar o governo.

"Esse 'mi-mi-mi' de cínica vitimização já vi em períodos simbólicos quando trabalhava no Senado, na era FHC e Lula. A conversinha é a mesma e bem fraca de criatividade. Como sou parte dos sobreviventes da árida caatinga, prefiro a máxima popular do meu sertão: 'Quem for podre que se quebre', aqui e alhures", diz.

Mas Helena diz não guardar mágoas do PT. "Olho para as imensas e dolorosas cicatrizes das batalhas contra eles travadas e fico em paz com a minha consciência. A vida me ensinou, da forma mais cruel que há, o preço político que se paga quando não se é covarde e servil ao poder", afirma.

Lições

A menos de um ano de deixar o cargo --ela diz que não vai concorrer à reeleição--, Helena diz que as derrotas nas últimas tentativas de retorno ao Senado deixaram lições morais.

"Aprendi o quanto é cômodo, fácil e sedutor viver em conluio com os que vendem a alma pelo poder, roubam descaradamente e mentem cinicamente. Mas as derrotas me ensinaram, especialmente, que sou parte da imensa multidão dos que ousam defender o que acreditam; dos que ensinam aos filhos que é proibido roubar; dos que enxugam as lágrimas e erguem a cabeça para continuar a travessia aprendendo com o passado, mas sem olhar para trás! Parece romântico? Não é, não! É apenas a dura vida vivida igualzinha a muitas outras pessoas que não se venderam nem se renderam", analisa.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos