Processo de impeachment

Dilma diz que, se voltar ao poder, população terá que ser consultada

Do UOL, em São Paulo

A presidente afastada, Dilma Rousseff, afirmou que, se for reempossada, haverá a necessidade de convocação de um plebiscito para que a população decida se quer ou não novas eleições presidenciais. "Será necessário consultar a população para remontar um 'pacto' que vinha desde a Constituição de 1988 e foi rompido com o processo de impeachment", disse ao jornalista Luis Nassif em entrevista veiculada na noite desta quinta-feira (9) pela TV Brasil. 

Segundo Dilma, esta consulta deve ser feita com ela de volta ao poder, com o processo de impeachment sendo derrubado no Senado, e que somente a consulta popular "para lavar e enxaguar essa lambança, que está sendo o governo Temer".

"Eu não acho possível fazer pacto nenhum com o governo Temer em exercício", disse a presidente afastada. Segundo ela, a consulta popular é o único jeito de se fazer este pacto "dado o nível de contradição" presente hoje no Brasil e com um Congresso em que só pautas conservadoras serão aprovadas -- de acordo com Dilma, com o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) "dando as cartas". A presidente afastada não disse como e quando seria feita esta consulta popular.

O Senado deve julgar se Dilma volta à Presidência em meados de agosto. Aliados do governo têm tentado convencer a senadores a votarem contra o impeachment com a promessa de que ela vai propor uma consulta popular

Governo Temer - pauta de Cunha

Dilma declarou ainda que "o governo Temer é a síntese do que pensa e expressa claramente a pauta de Eduardo Cunha". Ao ser questionada se era possível se aliar politicamente ao agora presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), na época em que foi eleito para comandar a casa legislativa, no início de 2015, Dilma disse que "não existe negociação possível com certo tipo de prática". De acordo com a presidente afastada, Cunha tem uma pauta própria, de orientação conservadora, que levaria para o campo político da direita os deputados e os partidos do chamado "Centrão".

Para Dilma, o "Centrão" historicamente não tem pautas definidas, mas, no caso de Cunha, a tônica foi comandar a pauta do Congresso.

Como tem feito em outras ocasiões, Dilma voltou a defender o presidencialismo e rechaçar qualquer ideia de parlamentarismo. "Foi por meio do presidencialismo que o Brasil conseguiu uma maior modernidade e inclusão da sua população", disse.

Ela criticou também a mudança na política externa do governo interino. "África terá cada vez mais importância; fechar embaixadas é ter visão minúscula de política externa", declarou Dilma

No dia 17 de maio, o ministro das Relações Exteriores, José Serra, encomendou um estudo para analisar o custo e a utilidade dos postos diplomáticos abertos nos governos Lula (2003-2010) e Dilma Rousseff para, eventualmente, pedir o fechamento de alguns deles.

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos