Câmara de Curitiba abre processo para cassar vereador suspeito de assédio sexual

Rafael Moro Martins

Colaboração para o UOL, em Curitiba

  • Câmara Municipal de Curitiba/Divulgação

    O vereador de Curitiba João Galdino de Souza (PSDB), conhecido como Professor Galdino

    O vereador de Curitiba João Galdino de Souza (PSDB), conhecido como Professor Galdino

Por 27 votos a zero, a Câmara Municipal de Curitiba decidiu abrir, nesta segunda-feira (26), processo para a cassação de mandato do vereador João Galdino de Souza, o Professor Galdino (PSDB). Ele foi acusado de agressão e assédio sexual pela também vereadora Carla Pimentel (PSC). O caso ocorreu na própria Câmara no último dia 14, e foi testemunhado por outros parlamentares.

O processo não correrá no Conselho de Ética da Casa, mas em comissão processante criada especialmente para isso pelo plenário. Na sessão, também foram sorteados os três integrantes da comissão: Tico Kuzma (Pros), Mestre Pop (PSC) e Felipe Braga Côrtes (PSD).

A assessoria da Câmara diz que o processo deverá levar 90 dias. Ainda essa semana, o tucano deverá ser notificado. Para que a cassação seja confirmada, ao fim do processo, serão necessários os votos de dois terços dos 38 vereadores.

O caso

Galdino foi detido por guardas municipais na manhã de 14 de setembro. Foi acusado por Carla Pimentel de agredi-la e assediá-la sexualmente em uma sala anexa ao plenário da Câmara. Ela registrou queixa na Delegacia da Mulher de Curitiba. Galdino assinou termo circunstanciado --registro de um fato considerado como de menor potencial ofensivo-- por "vias de fatos e importunação ofensiva ao pudor".

Os vereadores Bruno Pessuti (PSD), Jonny Stica (PDT), Beto Moraes (PSDB), Rogerio Campos (PSC) e Helio Wirbiski (PPS) testemunharam a agressão e prestaram depoimento à polícia. Uma audiência está marcada para 21 de outubro, num Juizado Especial de Curitiba.

"[O que sinto de Galdino] É pior que medo, é uma sensação de pânico, de desproteção", disse Carla ao UOL no dia da ocorrência. "Sem outros vereadores, eu não conseguiria me proteger dele. Poderia estar agora relatando algo muito pior."

"Eu estava com vereadores na sala anexa ao plenário, quando Galdino me mostrou um santinho [do irmão] dele [que é candidato a vereador], tudo num tom muito ameno. De repente, ele surta, esse louco, e avança pra cima de mim. Vereadores o tiram da sala. Ele volta, faz um monte de ameaças, escândalo", relatou Carla.

"Galdino puxou um santinho [do irmão] para mostrar, e ofereceu para Carla. Ela guardou-o; ele pediu de volta. Como ela se negou, ele saltou sobre a mesa a que estava sentado e apoiou as mãos sobre o corpo dela", contou Pessuti ao UOL, minutos após a ocorrência.

"Ele a assediou, passou a mão nela. Quis agredi-la, mas se aproveitou da situação. Depois, disse que ela não era mulher de Deus, que não era pessoa certa. Irei à delegacia prestar depoimento", afirmou.

Instado a defender-se da acusação, Galdino disse que a agressão "não existiu", e abriu fogo contra o prefeito e candidato a reeleição Gustavo Fruet (PDT). "É tudo mentira. Eles armaram um teatro, um conluio. É porque faço muitas denúncias [à prefeitura de Curitiba]."

O tucano disse, ainda, não temer a cassação. "Cassado por que? Não fiz nada. São todos [os acusadores] ligados ao (prefeito de Curitiba e candidato a reeleição Gustavo) Fruet."

O UOL procurou a assessoria do prefeito, que disse que não irá comentar o caso. Em redes sociais, o prefeito manifestou solidariedade a Carla Pimentel, dizendo que ela "reagiu com coragem, afirmando e buscando seus direitos". O PSC, partido dela, não apóia a reeleição de Fruet.

 

Quem é Galdino

Vereador em segundo mandato, Galdino é conhecido por usar um jaleco branco de professor, ultimamente acompanhado, inclusive em ambientes fechados, por um par de óculos escuros - ele alega sofrer de fotofobia.

Galdino já é alvo de uma representação no Conselho de Ética por ofensa e assédio moral a servidores da Comunicação da casa. Ele usou, em plenário, o termo "cabaço" para se referir a uma funcionária.

A suspeita de agressão sexual a Carla Pimentel não é a primeira na carreira do tucano. Em 2009, ele foi expulso do PV pela mesma acusação, segundo informou à época o jornal "Gazeta do Povo".

O tucano não é candidato à reeleição. Seu irmão, Edu Galdino, que se apresenta com os mesmos jaleco branco e óculos escuros do atual vereador, disputa mandato na Câmara. Edu usa, inclusive, os mesmos números de urna, jingle e estratégia de campanha do irmão, que incluem dançar por ruas do centro de Curitiba.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos