Após relatório desfavorável ao governo, Zveiter diz não temer represálias

Felipe Amorim e Gustavo Maia

Do UOL, em Brasília

Vice-líder do governo, o deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) chamou o relatório do correligionário, o deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ), pela admissibilidade da denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB), de "ruim", "contraditório em si mesmo", "fraco" e sinalizou que o relator do processo na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) na Câmara pode ter que deixar o partido.

"Isso é só uma demonstração de que nós devemos ter mais cuidado ao aceitarmos filiações no nosso PMDB. Nesse momento não estamos aí para relatar, estamos aí para superar esse momento. Mas pelas posições tomadas, é óbvio que algumas pessoas perdem até o ambiente de convivência dentro do nosso partido. Mas não é esse o pensamento agora", declarou Marun, após a leitura do parecer de Zveiter.

"O deputado Zveiter não apresenta mais condições de pertencer ao partido", declarou Marun mais tarde, em discurso na comissão.

Em entrevista ao deixar a reunião da CCJ, Zveiter disse não temer represálias do PMDB e disse ter atuado de acordo com sua consiência, e não a partir de inclinações partidárias. "Não temo [represálias] até por que eles não têm como fazer represália contra mim", disse, ao ser perguntado sobre a possibilidade de retaliação pelo partido.

Zveitar também negou temer ser expulso do partido, ao ser perguntado sobre essa possibilidade. "Eu aprendi com minha mãe desde cedo que quem anda com Deus não tem medo de nada. Então se eles me expulsarem, vai ser problema deles e não meu", afirmou o deputado, que disse pertencer à uma ala independente do PMDB.

"Minha filiação partidária claro que sempre influencia em alguns votos que eu venha a proferir aqui, mas neste caso o que prevaleceu mesmo foi minha condição de deputado federal titular, eleito livremente e portanto com a possibilidade de agir de acordo com minha consciência", afirmou Zveiter.

Marun, que disse ter sido surpreendido pela posição do relator, disse ser um "um momento triste que um advogado, admitindo a inexistência de provas, assim mesmo pleiteie a punição do acusado". "É uma peça a ser derrotada e até esquecida", declarou.

"Vamos, obviamente, preparar um relatório alternativo para que, assim que derrotemos essa peça nefasta na CCJ, possamos já ter outro pronto para que imediatamente votemos e que isso possa ir rapidamente para o plenário. Nós temos os votos, por isso queremos que rapidamente essa questão se resolva", complementou o peemedebista.

 

Denúncia contra Temer não é inepta, diz Zveiter

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos