'Troca-troca' de deputados garantiu 13 votos e vitória de Temer na CCJ da Câmara

Bernardo Barbosa*

Do UOL, em São Paulo

  • Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo

    Placar da votação que rejeitou prosseguimento da denúncia contra Temer

    Placar da votação que rejeitou prosseguimento da denúncia contra Temer

A vitória do governo na votação em que foi rejeitada, na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara, a denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB) por corrupção foi construída por meio de uma série de mudanças na composição do colegiado. Elas envolveram a indicação de novos parlamentares para o órgão, seja como titulares, seja como suplentes; e a inversão de posição entre titulares e suplentes.

Por fim, essas mudanças garantiram 13 votos contra a denúncia na primeira votação desta quinta-feira (13), quase a vantagem exata obtida pelo governo: 40 votos a 25, com uma abstenção. Já foi aprovado, também na CCJ, um novo relatório pedindo o arquivamento da denúncia. A decisão final sobre o tema será tomada pelo plenário da Câmara, em votação ainda sem data marcada.

Segundo dados fornecidos pela Câmara, desde o dia 26 de junho, dez deputados foram substituídos na CCJ, que conta com um total de 66 parlamentares titulares. Deste grupo de dez, nove votaram hoje, e oito foram contrários ao relatório do deputado Sérgio Zveiter (PMDB-RJ), que era a favor de autorizar a análise da denúncia contra Temer pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Um desses novos componentes é Carlos Melles (DEM-MG), que entrou na comissão justamente nesta quinta-feira como suplente no lugar de Onyx Lorenzoni (DEM-RS). Melles votou no lugar do titular Francisco Floriano (DEM-RJ) e foi contra o relatório.

Houve também 15 mudanças envolvendo 14 vagas de titular na comissão. Participaram delas tanto deputados que já eram suplentes como parlamentares que não faziam parte do colegiado. Todos os novos 14 titulares participaram da votação hoje, e 12 votaram contra a denúncia.

Um desses novos titulares é Carlos Marun (PMDB-MS), um dos mais veementes defensores do governo Temer na Câmara. Ele entrou na CCJ como suplente em 30 de junho, no lugar de Valtenir Pereira (PSB-MT), e virou titular na última segunda-feira, dia 10, substituindo José Fogaça (PMDB-RS). Hoje, votou contra o relatório de Zveiter. Veja a lista completa dos novos titulares e como votaram:

  • Laércio Oliveira (SD-SE): votou Sim
  • Carlos Marun (PMDB-MS): votou Não
  • Bilac Pinto (PR-MG): votou Não
  • Laerte Bessa (PR-DF): votou Não
  • Magda Moffato (PR-GO): votou Não
  • Milton Monti (PR-SP): votou Não
  • Cleber Verde (PRB-MA): votou Não
  • Evandro Roman (PSD-PR): votou Não
  • Nelson Marquezelli (PTB-SP): votou Não
  • Beto Mansur (PRB-SP): votou Não
  • Darcísio Perondi (PMDB-RS): votou Não
  • Hildo Rocha (PMDB-MA): votou Não
  • Toninho Pinheiro (PP-MG): votou Não
  • Renata Abreu (PODE-SP): votou Sim

Deputados da oposição criticaram a articulação do governo para vencer a votação na comissão.

"É vergonhoso o que está sendo feito pelo governo Temer", afirmou Henrique Fontana (PT-RS). "Aqui trocou, entregou emendas, cargos, um verdadeiro jogo de vale-tudo e conseguiu vencer por 40 a 25 dentro de um colégio eleitoral totalmente artificial. Se o governo tivesse de fato base para sustentar Temer no poder, não teria feito as mudanças que fez aqui."

Maria do Rosário (PT-RS) disse que, no plenário, o governo "não pode substituir ninguém", enquanto Alessandro Molon (Rede-RJ) afirmou que a superioridade numérica favorável ao governo na votação da CCJ se deve à manipulação do resultado, com as substituições dos membros da comissão. "Uma vergonha, triste para o País. Perdemos uma batalha, mas a guerra está longe de terminar", disse.

*Com Estadão Conteúdo

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos