Operação Lava Jato

Advogado de Lula diz que recibos foram encontrados em pertences de Marisa

Do UOL, em São Paulo*

O advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), publicou nesta quinta-feira (28) vídeo no qual diz que os recibos de aluguel entregues à Justiça em um processo da Operação Lava Jato na qual o petista é réu foram encontrados em meio a pertences da ex-primeira-dama Marisa Letícia, que morreu em fevereiro.

Os comprovantes são de pagamentos do aluguel de um apartamento usado por Lula em São Bernardo do Campo (SP), vizinho ao do ex-presidente. No contrato, a locatária é Marisa Letícia.

Segundo denúncia da força-tarefa da Operação Lava Jato no MPF-PR (Ministério Público Federal no Paraná), o apartamento foi comprado por um laranja, o engenheiro Glaucos da Costamarques, com dinheiro da Odebrecht e como propina da construtora a Lula. Em contrapartida, o ex-presidente teria atuado em prol da empresa em contratos com a Petrobras --o que sua defesa nega. O MPF também diz na denúncia que não há comprovação do pagamento do aluguel.

De acordo com Zanin Martins, "foram realizadas diligências por familiares e colaboradores do ex-presidente Lula nos pertences de dona Marisa, que sempre foi a locadora do imóvel. Os recibos foram encontrados, e da mesma forma que chegaram até nós, foram apresentados no processo".

"Acreditamos que esses recibos expressam a verdade dos fatos, pois dona Marisa sempre foi uma mulher íntegra e honesta", diz o advogado no vídeo. 

Reprodução
Defesa do ex-presidente apresentou recibos como prova de pagamentos de aluguéis

Zanin Martins também mostra na gravação, publicada em redes sociais, uma correspondência de 3 de janeiro de 2017 atribuída a Glaucos da Costamarques, em que o engenheiro pede a Marisa que passe a depositar o aluguel em outra conta bancária. 

"Por meio desta venho pedir que o depósito do apartamento nº 121 do Edifício Green Hill, que estava sendo feito no banco Santander seja alterado, a partir do aluguel referente ao mês de setembro, para o seguinte banco", diz a correspondência, citando uma conta do Banco do Brasil.

O advogado de Lula destaca que, no pedido, Costamarques "não fez qualquer referência a qualquer valor em aberto".

"Se o proprietário mandou correspondências formais a dona Marisa, inclusive próximas a seu falecimento, por que ele não teria feito registro da existência de um débito, mas simplesmente indicado uma nova forma de recebimento dos aluguéis?", questiona Zanin Martins.

Reprodução
Carta atribuída a Costamarques e exibida por Zanin Martins

Procurada pelo UOL, a defesa de Costamarques ainda não comentou o conteúdo do vídeo da defesa de Lula. O engenheiro é réu por lavagem de dinheiro no mesmo processo do ex-presidente, que responde também por corrupção passiva.

Em depoimento ao juiz Sergio Moro, Costamarques disse que firmou o contrato de aluguel em 2011 com Marisa Letícia, mas diz que só passou a receber o pagamento em novembro de 2015, após a prisão de Bumlai, tendo recebido "calote" durante quase cinco anos.

Apesar disso, o engenheiro declarou à Receita Federal todos os valores. A Moro, Costamarques disse que não reclamou da falta de pagamento porque queria que o pecuarista José Carlos Bumlai --seu primo e amigo de Lula-- pagasse pela propriedade do apartamento. Segundo Costamarques, Bumlai pediu a ele para que comprasse o imóvel, pois não queria que "alguém estranho" ocupasse o local.

Entre os recibos entregues pela defesa de Lula a Moro dois têm datas que não existem: 31 de junho e 31 de novembro. Em nota divulgada ontem, a defesa do ex-presidente disse que os comprovantes dão quitação em relação aos aluguéis até dezembro de 2015. "Não há qualquer questionamento em relação às assinaturas que constam no documento. A quitação é a prova mais completa de pagamento, de acordo com a lei. Se houver qualquer dúvida em relação aos recibos, poderão eles ser submetidos a uma prova pericial."

Não me pagaram, diz Glaucos, primo de amigo de Lula

Glaucos assinou recibos em um dia, diz jornal

Glaucos da Costamarques afirma ter assinado, em um único dia, todos os recibos de aluguel de 2015 referentes ao apartamento vizinho ao do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em São Bernardo do Campo, usado pelo petista e sua família.

Segundo Costamarques, os documentos foram levados a ele pelo contador de Lula, João Muniz Leite, a pedido de Roberto Teixeira --advogado e amigo do ex-presidente --quando estava internado no Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista, em novembro daquele ano. As informações são do jornal "O Globo". Lula foi condenado a 9 anos e 6 meses de prisão, é réu em seis processos e já foi denunciado em dois.

Os recibos haviam sido solicitados ao ex-presidente pelo juiz federal Sergio Moro, durante o segundo depoimento prestado por Lula a ele, no dia 13. O petista disse que iria ver com seu contador onde estavam os recibos, entregues por sua defesa na segunda-feira (26).

Os comprovantes apresentados referem-se ao período de agosto de 2011 a novembro de 2015. De acordo com o jornal, a defesa de Costamarques avalia ajuizar ainda nesta quinta-feira uma petição na 13ª Vara da Justiça Federal de Curitiba, revelando a forma como os comprovantes foram assinados e ainda solicitando imagens do circuito interno do hospital para comprovar as visitas feitas a Costamarques por Leite e Teixeira --o empresário ficou hospitalizado entre 22 e 28 de novembro de 2015.

*Com Estadão Conteúdo

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos