Gleisi lê carta de Lula para militância: "continuo acreditando na Justiça"

Ana Carla Bermúdez

Do UOL, em Curitiba

A senadora e presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann (PR), leu na noite desta segunda-feira (16) uma carta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a militância que acampa no entorno da sede da Superintendência da PF em Curitiba desde que o petista foi preso, no dia 7 de abril (leia a íntegra abaixo).

A carta foi ditada por Lula a um advogado que o visitou nesta segunda-feira. A mensagem foi então repassada à senadora.

"Ouvi os recados e as músicas que vocês cantaram. Estou muito agradecido pela existência e presença de vocês neste ato de solidariedade", teria dito Lula conforme mensagem lida por Gleisi.

Em seu texto, o petista afirmou ainda ter certeza de que "não está longe o dia em que a Justiça valerá a pena: na hora que ficar definido que quem cometeu um crime será punido, e quem não, será absolvido".

Leia também:

Lula ainda criticou o MPF (Ministério Público Federal) e a Operação Lava Jato, dizendo que continua desafiando-os a "provarem o crime que cometi".

"Continuo acreditando na Justiça e por isso estou tranquilo, mas indignado como todo inocente fica indignado quando é injustiçado", teria escrito o petista.

Gleisi afirmou que vem se comunicando com Lula por cartas que são trocadas entre eles por meio de seus advogados. A senadora já requisitou à Justiça autorização para visitá-lo, mas ainda não houve decisão sobre o pedido.

Nesta terça (17), Gleisi deverá participar de uma vistoria marcada pela Comissão de Direitos Humanos do Senado à sede da PF e às instalações onde Lula está preso. A visita foi autorizada nesta segunda pela juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara Federal.

Leia a carta de Lula lida por Gleisi:

"Eu ouvi o que vocês cantaram. Estou muito agradecido pela resistência e presença de vocês neste ato de solidariedade. Tenho certeza que não está longe o dia em que a Justiça valerá a pena. Na hora em que ficar definido que quem cometeu crime seja punido. E que quem não cometeu seja absolvido. Continuo desafiando a Polícia Federal da Lava Jato, o Ministério Público da Lava Jato, o Moro e a segunda instância a provarem o crime que alegam que eu cometi. Continuo acreditando na Justiça e por isso estou tranquilo, mas indignado como todo inocente fica indignado quando é injustiçado"

Acampamento pró-Lula divide moradores de bairro de Curitiba

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos