PUBLICIDADE
Topo

Política

Agentes fazem revista e encontram euros e dólares na cela de Pezão

Pezão participa da cerimônia de hasteamento da bandeira nacional em presídio de Niterói - Reprodução/TV Globo
Pezão participa da cerimônia de hasteamento da bandeira nacional em presídio de Niterói Imagem: Reprodução/TV Globo

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio

21/12/2018 12h13Atualizada em 21/12/2018 19h41

Agentes da Secretaria de Segurança Pública do Rio e membros das Forças Armadas encontraram 70 euros, 36 dólares, 6.000 pesos colombianos e 25 ienes na cela onde está o governador afastado do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, no Complexo Prisional da Polícia Militar em Niterói, região metropolitana da capital.

A moeda estrangeira foi encontrada durante revista na unidade prisional nesta sexta-feira (21). O governador afastado teve que prestar esclarecimentos à Corregedoria da Polícia Militar. 

Isso porque cada detento tem autorização para possuir no máximo R$ 100 dentro do presídio e, convertidas, as moedas somam cerca de R$ 450. Se for constatada irregularidade, ele pode receber uma punição administrativa.

Em nota, a defesa de Pezão disse que o governador "jamais cometeu qualquer ato ilícito e sempre esteve à disposição das autoridades públicas para quaisquer esclarecimentos."

Mais tarde, outra declaração foi distribuída à imprensa, dizendo que "causa absoluta estranheza essa acusação, principalmente após várias buscas e apreensões da Polícia Federal que nada encontraram de valor em sua residência e local de trabalho e, ainda, após duas vistorias já realizadas pelo Ministério Público no BEP [Batalhão Especial Prisional], que constataram inexistir qualquer irregularidade". A defesa ainda afirmou que Pezão nunca se negou a usar o uniforme como os demais presos.

Pezão está preso desde o dia 29 de novembro, quando foi deflagrada a Operação Boca de Lobo, que investiga um esquema criminoso no governo do estado que teria tido início em 2007, durante a gestão do ex-governador Sérgio Cabral (MDB).

O Complexo Prisional da PM foi alvo de uma inspeção visual e de uma varredura eletrônica que também localizou sete celulares. Os aparelhos estavam na área comum, nos fundos da cadeia, fora das celas, e foram localizados com o auxílio de equipamentos que detectam ondas eletromagnéticas.

A fiscalização foi realizada justamente para localizar objetos irregulares nas instalações. A ação contou com 160 militares das Forças Armadas e 100 PMs. 

Essa é a segunda vistoria realizada no presídio de Niterói. A primeira ocorreu no início do mês e foi feita por agentes do Ministério Público do Estado. Na ocasião, o objetivo foi conferir se o governador estava recebendo algum tipo de regalia na cadeia. Nenhuma irregularidade foi encontrada. 

O governador afastado do Rio está em uma sala especial do Estado Maior, sem grades e monitorado por câmeras de segurança. O espaço conta com cama, prateleira e mesa. Uma divisória separa o dormitório do banheiro que tem vaso sanitário, chuveiro e pia. As refeições de Pezão são as mesmas oferecidas aos outros internos. 

Pezão foi denunciado pela procuradora-geral da República Raquel Dodge junto com outras 14 pessoas no dia 19 de dezembro. O grupo é acusado dos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. A denúncia será analisada pelo relator do caso no STJ (Superior Tribunal de Justiça), ministro Felix Fischer.

Segundo a defesa de Pezão, a acusação de que o governador recebeu propina de R$ 39 milhões "é totalmente descolada da realidade".

Política