Topo

STF rejeita recurso de Lula que pedia para anular condenação no STJ

01.mar.2018 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) - Nelson Almeida/AFP
01.mar.2018 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) Imagem: Nelson Almeida/AFP

Leandro Prazeres e Constança Rezende

Do UOL, em Brasília, e colaboração para o UOL, em Brasília

25/06/2019 16h52Atualizada em 26/06/2019 08h02

Por 4 votos a 1, a 2ª Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) negou hoje recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que pedia a anulação em segunda instância do caso do tríplex de Guarujá (SP). Posteriormente, a turma também recusou por 3 votos a 2 uma sugestão de Gilmar Mendes, que propôs que Lula fosse solto até a conclusão do processo.

No primeiro julgamento de hoje, os advogados contestavam uma decisão monocrática do ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Félix Fischer, que manteve a condenação. No entanto, o próprio colegiado do STJ decidiu depois manter a condenação do ex-presidente, argumento principal usado pelos ministros hoje.

Votaram contra o recurso de Lula

  • Edson Fachin (relator do caso)
  • Gilmar Mendes
  • Celso de Mello
  • Cármen Lúcia (presidente da turma)

Votou favoravelmente ao recurso de Lula

  • Ricardo Lewandowski

Antes de os ministros votarem, o advogado de defesa de Lula, Cristiano Zanin Martins, afirmou que o petista foi julgado por um juiz "claramente suspeito" - em referência ao ex-juiz federal e atual ministro Sergio Moro (Justiça).

"Hoje, o que se tem é um quadro em que o paciente cumpre pena em regime de decisão antecipada, está preso há mais de 400 dias e vemos um cenário de manifesta violação ao estado de direito e garantias fundamentais e a decisão condenatória proferida por um juiz claramente suspeito, que foi o responsável por formular ou processar a ação que hoje desencadeia nessas duas ações", disse o defensor.

Fachin: decisão "devidamente fundamentada"

Em seu voto, Fachin afirmou que a decisão do STJ que manteve a condenação do ex-presidente "foi devidamente fundamentada e afastou os pontos apresentados pela defesa".

Ele também alegou que não houve nenhuma irregularidade em Fischer decidir monocraticamente, pois o regimento do STJ concede essa permissão ao relator dos casos.

Os argumentos de Fachin depois foram integralmente acompanhados por Celso de Mello e Cármen Lúcia.

Polícia Militar do DF reforça policiamento no entorno do STF enquanto ministros julgam habeas corpus de Lula - Leandro Prazeres/UOL
Polícia Militar do DF reforça policiamento no entorno do STF enquanto ministros julgam habeas corpus de Lula
Imagem: Leandro Prazeres/UOL

Lewandowski: "ofensa cristalina" ao direito de defesa

Em sua vez, o ministro Ricardo Lewandowski divergiu do relator e votou para anular o julgamento do STJ que manteve a condenação de Lula. Para o ministro, houve "ofensa cristalina" ao direito de defesa do ex-presidente na decisão do tribunal, o que classificou como "inconcebível" e "inacreditável".

"Essa ofensa está cristalina. Bem por isso, na primeira versão do meu voto em que eu atacava essa decisão, atacando a decisão do eminente ministro Edson Fachin, eu estaria dando habeas corpus de ofício para que a defesa fosse no mínimo ouvida. Afinal de contas, estamos num país democrático. No processo mais rumoroso do país, um ministro do STJ subtrai o exame do resp de seus pares. Isso é inacreditável. É inconcebível", disse o ministro.

Gilmar: Fischer errou, mas "julgamento já se deu"

Gilmar Mendes, por sua vez, também criticou Félix Fischer, mas acompanhou o voto de Fachin e negou o HC. Ele afirmou que, ainda que Fischer tivesse, em tese, violado o direito de defesa de Lula, a decisão da 5ª turma - que manteve a condenação em colegiado - avaliou os pedidos feitos pelos advogados do ex-presidente.

"O fato é que esse julgamento já se deu [no STJ]. O tribunal se debruçou sobre todas aquelas questões, inclusive as questões preliminares levantadas, e deu provimento em parte ao recurso, fazendo uma nova dosimetria [reduzindo a pena]", disse.

Outro HC julgado hoje

Encerrada a análise do recurso referente ao STJ, a 2ª turma iniciou o julgamento de mais um habeas corpus de Lula, esse argumentando que a condenação pelo tríplex deve ser anulada porque Moro, segundo a defesa, foi parcial na condução do caso. Este processo teve início no ano passado, com votos de Fachin e Cármen Lúcia contra o recurso do ex-presidente. Ainda restam as manifestações de Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello.

A turma decidiu adiar a análise do caso e recusou por 3 votos a 2 uma sugestão de Gilmar Mendes, que propôs que Lula fosse solto até a conclusão do processo.

Mais Política