Topo

Há 4 meses, Eduardo Bolsonaro insinuou que PT levava droga em voos oficiais

Pedro Graminha

Do UOL, em São Paulo

2019-06-26T18:32:52

26/06/2019 18h32

Frente ao episódio de um sargento preso com 39 kg de cocaína em um avião da comitiva de Jair Bolsonaro na Espanha, voltou a ser compartilhado no Twitter um post de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) no qual o deputado insinuava que 'governos anteriores' transportavam drogas em aviões oficiais.

Publicado em 14 de fevereiro, o vídeo ecoa suspeitas levantadas pelo ministro da Saúde, Henrique Mandetta, de que aviões do ministério poderiam ter ser usados para transportar narcóticos.

"Essa prática é muito recorrente na Venezuela, que é um dos países que o PT sempre apoiou. Inclusive com a ajuda e uso de integrantes das Forças Armadas", declarou o deputado, que assinou um requerimento de informação ao ministério da saúde para averiguar a situação.

No Twitter, usuários ironizaram o parlamentar pedindo que ele prossiga com a investigação.

O presidente da República, Jair Bolsonaro, negou que o episódio tenha relação com a sua equipe e o classificou como "inaceitável".

"Exigi investigação imediata e punição severa ao responsável pelo material entorpecente encontrado no avião da FAB. Não toleraremos tamanho desrespeito ao nosso país!", escreveu Bolsonaro nas redes sociais.

Em nota, a assessoria de Bolsonaro afirmou que o militar não trabalha na Presidência da República e não estava na comitiva presidencial. "Ele pertence ao Grupo de Transportes Especiais da Força Aérea Brasileira e exerce função de comissário de bordo"

Reportagem da Folha afirma que o militar fez 29 viagens e acompanhou comitivas de três presidentes: Bolsonaro, Temer e Dilma.

Mais Política