Topo

Sob risco de perder fala, general Villas-Bôas defende maconha medicinal

Em entrevista, general Villas Bôas defende uso de maconha medicinal

SBT Online

Do UOL, em São Paulo

03/08/2019 21h30

Com uma doença neuromotora degenerativa, o general Eduardo Villas Bôas, ex-comandante do Exército e atual assessor do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do Palácio do Planalto, corre risco de não falar mais e tem testado tecnologias para substituir o ato da fala.

Em meio a outras alternativas, o militar contou em entrevista ao SBT que foi apresentado ao canabidiol --uma das centenas de compostos encontrados na maconha-- e, apesar de não usá-lo, defendeu o uso do medicamento e falou em "hipocrisia social" ao mencionar as dificuldades de quem precisa no acesso ao tratamento.

"Eu não entendo por que ao mesmo tempo que tem gente lutando aí, defendendo a legalização da maconha, está tão difícil se obter esses medicamentos para efeito medicinal. Eu acho, de certa forma, até uma hipocrisia social e vejo a luta de algumas pessoas que dependem disso para minimizar sintomas de efeitos de algumas doenças que têm dificuldade", disse o general com dificuldade para respirar.

Ele afirmou que vai abrir um instituto com sua filha Adriana para ajudar pessoas que sofrem com doenças incapacitantes, assim como ele. Enquanto isso, já começou a usar a navegação na internet sem as mãos e testa três tecnologias diferentes.

Villas Bôas deixou o comando do Exército no começo deste ano e passou o bastão para o general Leal Pujol. Durante a cerimônia de despedida, ele chorou e foi abraçado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) e fez um discurso em que disse que 2018 foi ano "desafiador para as instituições e para a identidade nacional".

Errata: o texto foi atualizado
Leal Pujol é general, e não coronel. O texto foi corrigido

Mais Política