Topo

Bolsonaro: Brasil não terá mais radares móveis a partir da semana que vem

Stella Borges e Vanessa Alves Baptista

Do UOL, em São Paulo

12/08/2019 12h01Atualizada em 13/08/2019 14h57

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse hoje que o Brasil não terá mais radares móveis a partir da semana que vem. Ele participou nesta manhã de inauguração de obras de duplicação da BR-116 no Rio Grande do Sul.

"Estou com uma briga juntamente com o Tarcísio [de Freitas, ministro da Infraestrutura] na Justiça para acabarmos com os pardais no Brasil, essa máfia de multas, que vai para o bolso de alguns poucos nessa nação. É uma roubalheira. Anuncio para vocês que a partir da semana que vem não teremos mais radares móveis no Brasil", disse hoje. Ele não especificou como isso será feito.

"Essa covardia de ficar num descidão, no final de um retão alguém atrás de uma árvore para multar vocês não existirá mais", acrescentou.

Bolsonaro se mostrou otimista quanto à aprovação do projeto de lei apresentado na Câmara que sugere, entre outros, um aumento de 20 para 40 no limite de pontos para cassação da CNH (Carteira Nacional de Habilitação) e a ampliação de 5 para 10 anos do prazo de validade do documento.

"O Parlamento com toda a certeza dará a devida resposta a essas propostas nossas", disse.

Ele lembrou ainda que o governo acabou com a obrigatoriedade do uso de simuladores para reduzir o valor da emissão da carteira.

Ao ser questionado no Rio Grande do Sul sobre como eliminaria os radares, o presidente disse: "É só eu determinar à PRF (Polícia Rodoviária Federal) que não use mais."

A Polícia Rodoviária Federal foi procurada para explicar como e quando será a retirada dos radares móveis, mas ainda não respondeu.

No último dia 30, a Justiça Federal homologou um acordo do governo Bolsonaro com o Ministério Público que prevê a instalação de cerca de 1.140 radares de velocidade em rodovias federais. O Dnit informou nesta segunda que a declaração do presidente Bolsonaro, de acabar com os radares móveis, não tem implicação nenhuma no acerto homologado na Justiça porque se refere a equipamentos fixos.

Para especialistas ouvidos pelo UOL, a consequência de tirar ou diminuir radares de velocidade nas estradas federais será o aumento do número de mortos em acidentes no país.

"É uma decisão equivocada grave e que é oposto dos exemplos internacionais, que é o de uma penalidade mais severa", diz Eduardo Biavati, especializado em educação e segurança no trânsito. "Nós precisamos manter uma fiscalização eletrônica, não há outra maneira conhecida na humanidade de controlar a velocidade --e quase a metade das mortes nas rodovias tem relação direta com a velocidade."

José Aurelio Ramalho, presidente do Observatório Nacional de Segurança Viária, também defende que a fiscalização nas estradas. "É uma das principais medidas para combater a violência no trânsito, em um país que mata uma pessoa a cada 15 minutos", afirma.

Reportagem da Folha publicada em abril mostrou que o número de mortes nas estradas brasileiras caiu 21,7% nos trechos de rodovias federais em que há radares depois da instalação dos equipamentos. Também houve redução de 15% nos índices de acidentes nos trechos em que houve instalação dos radares.

Cerca de 37 mil pessoas morrem no trânsito brasileiro anualmente. Até 2020, o governo brasileiro tem a meta de reduzir pela metade as mortes no trânsito brasileiro em relação a 2010 --quando houve quase 43 mil casos.

Pesquisa Datafolha realizada no início do mês passado apontou que 67% dos entrevistados reprovam a decisão de acabar com radares nas estradas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Política