Topo

Favorito para PGR foi investigado por assinatura forjada de advogado do RJ

19.ago.2019 - O subprocurador-geral Antônio Carlos Simões Martins Soares é cotado para assumir a chefia da PGR - Divulgação/MPF
19.ago.2019 - O subprocurador-geral Antônio Carlos Simões Martins Soares é cotado para assumir a chefia da PGR Imagem: Divulgação/MPF

Constança Rezende e Reinaldo Azevedo

Colaboração para o UOL, em Brasília e em São Paulo

19/08/2019 13h36

O mais novo cogitado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) para ser o novo procurador-geral da República, o subprocurador Antonio Carlos Simões Martins Soares, foi acusado de falsificar um documento em nome de um advogado do Rio em uma ação penal na década de 1990.

A denúncia teve como origem o Tribunal Regional Federal da 1ª Região, que atua em Minas Gerais --na época, Martins Soares trabalhava em Juiz de Fora (MG). O processo, de 1998, foi para o Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas acabou prescrito em 2002. A mudança de trâmite ocorreu devido à decisão do STF, atendendo a pedido da defesa do hoje subprocurador.

Segundo o processo no STJ (Superior Tribunal de Justiça), o subprocurador teria falsificado a assinatura do advogado Paulo Expedicto de Lyra Telles, do Rio de Janeiro. O documento afirma que o acusado quis que todos que manuseassem os autos da queixa-crime --e, em especial, o juiz-- acreditassem que a peça inaugural tivesse sido firmada por Paulo Telles.

A então Subprocuradoria Geral da República publicou um parecer no processo alegando que "detida análise dos autos, portanto, vislumbra-se a ocorrência de indícios no tocante à falsidade da assinatura do advogado Paulo Expedicto na inicial da queixa-crime".
"Ora, uma prova que se apresenta para o exercício da profissão de advogado, mas não o é, ou exerce as funções desse sem poder fazê-lo, comete o delito referido, que se exaure com obtenção ilícita ou com o dano causado", diz o parecer.

Na época, o subprocurador negou as acusações que tenha assinado a inicial penal. "Não visou, ele, a que sua pessoa fosse confundida com a do advogado tido como subscritor do documento", diz o documento. O UOL procurou o subprocurador e o advogado envolvidos, mas não obteve resposta até a tarde desta segunda-feira. O texto será atualizado assim que as respostas forem enviadas.

Mais Política