PUBLICIDADE
Topo

UOL transmite "Roda Viva" com o ministro do STF Gilmar Mendes

2.out.2019 - O ministro Gilmar Mendes, do STF, durante julgamento de caso que pode levar à anulação de sentenças da Operação Lava Jato - Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
2.out.2019 - O ministro Gilmar Mendes, do STF, durante julgamento de caso que pode levar à anulação de sentenças da Operação Lava Jato Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

05/10/2019 04h00

Nesta segunda-feira (7), o UOL transmitirá ao vivo a entrevista do programa "Roda Viva", da TV Cultura, com o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes, que fez duras críticas à Lava Jato na última quarta-feira (2), durante julgamento no plenário da Corte. A entrevista será conduzida pela jornalista Daniela Lima, editora da coluna Painel, da Folha, a partir das 22h.

Gilmar é ministro do Supremo desde junho de 2002, quando foi convidado ao cargo pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). O magistrado também presidiu o STF entre 2008 e 2010. Em 2009, foi considerado pela revista Época como um dos cem brasileiros mais influentes.

No dia 26 de setembro, Gilmar foi envolvido em uma polêmica com o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot. Ele disse em entrevista sobre seu livro de memórias que foi armado de uma pistola a uma sessão do STF com intenção de matar o ministro e depois se suicidar. A motivação teria sido insinuações feitas por Gilmar sobre a filha de Janot.

Mas a obra "Nada Menos que Tudo" já teve incongruências apontadas, como uma viagem que Janot teria feito nessa mesma data, não estando presente na sessão no STF.

Outro tema a ser discutido será a aprovação pela Corte, no último dia 2, da tese que pode levar à anulação de boa parte das sentenças da operação Lava Jato, incluindo a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Lava Jato usou prisa?o proviso?ria como instrumento de tortura, diz Gilmar

UOL Notícias

Errata: o texto foi atualizado
O programa Roda Viva com Gilmar Mendes será transmitido nesta segunda-feira, dia 7, e não dia 27, como havia sido informado no primeiro parágrafo do texto. A informação foi corrigida.

Política