Topo

Bolsonaro elogia Enem "sem polêmica" e diz que não houve ditadura no Brasil

Do UOL, em São Paulo

14/11/2019 19h46

O presidente Jair Bolsonaro elogiou hoje em sua live semanal no Facebook o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), cuja segunda etapa foi realizada no último domingo, porque "não houve questão polêmica". Ele usou como exemplo a edição do ano passado, e justificou a falta de questões sobre a ditadura militar na prova já que "não houve ditadura no Brasil".

"A segunda etapa do Enem foi realizada sem problema. O que eu vejo também. Vocês viram que não teve questão polêmica. 'Segundo linguajar de tal tipo de classe', como houve ano passado. Estimulando a garotada a se interessar por esse tipo de linguagem desse tipo de classe. Não vou falar para não dar polêmica", disse.

Em 2018, o presidente ficou incomodado com uma questão sobre dialeto pajubá, um "dialeto secreto de gays e travestis", como descreveu a prova. Na ocasião, ele disse que o tema era perigoso porque os jovens podiam se interessar pelo dialeto.

Ainda na live, Bolsonaro voltou a criticar quem pediu por questões relacionadas à ditadura militar que houve no país e que em 2019 completou 55 anos. Para ele, não houve ditadura no Brasil, já que tinha "liberdade de expressão".

"Daí a imprensa falou, 'Não houve questão sobre ditadura'. Bem, parabéns, imprensa, nunca houve ditadura no Brasil. Que ditadura foi essa onde você tinha direito de ir e vir, tinha liberdade de expressão, você votava... não vou entrar em detalhes. Querem polemizar, querem chamar de ditadura e podem continuar chamando", afirmou no vídeo.

"O que interessa é o que está na cabeça de grande parte da população de como era aquele período, de como estamos hoje. Acho difícil alguém falar que quem estava até pouco tempo atrás presidindo o Brasil era mais democrático do que eu", completou.

Novo partido

Bolsonaro ainda reservou um tempo para falar de seu novo partido, Aliança pelo Brasil, que foi anunciado nesta semana. "Está em estudo ainda [a aprovação do Aliança pelo Brasil]. A única certeza é que nos próximos dias eu me desfilio do PSL", disse.

"Agradeço todo o apoio que tive até o momento do partido, uma separação amigável, boa sorte ao presidente do partido, aqueles que o apoiaram. Vamos ser feliz todo mundo, cada um segue o seu destino, como uma separação, que infelizmente acontece na vida."

O presidente ainda explicou que este não será seu nono partido — e mesmo se fosse, "não teria problema nenhum", segundo ele.

"E com esse novo partido a imprensa está dizendo que será o nono partido do Bolsonaro. Olha a má-fé. Que fosse o 30º partido, sem problema nenhum. Lá atrás me elegi pelo PDC, que fundiu com o PDS e nasceu o PPB. Então não pode considerar uma mudança de partido", apontou.

"Depois o PPB se fundiu com o PPR. Então não pode considerar um partido de novo. Depois o PPR se fundiu com não sei quem e voltou para o PP. E eu tive passagens sim pelo PTB, PDC e depois PFL. Mas tudo bem, são cinco partidos".

Política