Topo

Guedes chamou Sergio Moro para ministério antes do 2º turno, diz Bebianno

Moro não teve contato com Bolsonaro a respeito de convite antes de eleição, diz ex-secretário-geral da Presidência da República - Ian Cheibub/Folhapress
Moro não teve contato com Bolsonaro a respeito de convite antes de eleição, diz ex-secretário-geral da Presidência da República Imagem: Ian Cheibub/Folhapress

Do UOL, em São Paulo

18/11/2019 14h01Atualizada em 18/11/2019 17h45

Resumo da notícia

  • Em entrevista, Gustavo Bebianno disse que havia sido convidado por Jair Bolsonaro para ser ministro da Justiça
  • No dia do segundo turno das eleições presidenciais, soube que Sérgio Moro havia sido convidado para a pasta
  • Informação foi divulgada por Paulo Guedes, ministro da Economia, que teria feito o convite a Sérgio Moro
  • Segundo Bebianno, Bolsonaro não teve contato com Moro a respeito de ministério antes de ser eleito

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, foi sondado para o cargo antes mesmo do segundo turno das eleições presidenciais de 2018, em 28 de outubro. A informação foi dada por Gustavo Bebianno, ex-secretário-geral da Presidência da República, em entrevista ao jornalista Fabio Pannunzio divulgada no final de semana.

Segundo Bebianno, o responsável por intermediar o convite foi Paulo Guedes, atual ministro da Economia do governo de Jair Bolsonaro (PSL). O atual presidente, que derrotou Fernando Haddad (PT) no segundo turno, não teria tido qualquer diálogo com o juiz a respeito até o resultado das urnas. Moro comandou os julgamentos em primeira instância dos crimes da Operação Lava Jato, que tiraram Luiz Inácio Lula da Silva (PT) da disputa presidencial.

Bebianno afirma que, até o segundo turno, era ele quem tinha a possibilidade de assumir a pasta, de acordo com o próprio Bolsonaro havia lhe dito.

"Entre o primeiro e o segundo turnos, um dia eu chego à casa do Paulo Marinho (empresário filiado ao PSL), onde foi montada a estrutura, estúdios, inclusive para a gravação dos programas eleitorais. Naquele dia, o Jair tinha chegado um pouco mais cedo. O Paulo falou assim: 'Ele está na sala de televisão e quer conversar com você'. Aí eu fui até lá. Ele estava lá, sentado muito confortável numa poltrona, e na frente dessa poltrona tinha um pufe para colocar os pés", relatou.

"Eu puxei essa poltrona, me sentei debruçado, olho no olho, e ele disse para mim o seguinte, exatamente com essas palavras: 'Gustavo, você está isso aqui (aproxima o polegar e o dedo médio, indicando proximidade) para ser o próximo ministro da Justiça; no entanto, existe uma questão que me preocupa, que é o seu pavio. Seu pavio é muito curto. Para ter uma missão dessas, você vai lidar principalmente com deputados, senadores, e você nunca poderá pisar no calo de um deputado'. Olha só. 'Se você pisar no calo de um deputado, poderá abrir uma crise tão grande, capaz de botar em risco o governo. Me preocupa o teu pavio ser tão curto'", acrescentou.

"Aí eu argumentei com ele. Agradeci ele estar cogitando essa hipótese, obviamente eu fiquei muito honrado com aquilo. Eu disse a ele: 'Capitão, meu pavio não é tão curto assim; ele só é curto para vagabundo. Eu não tenho paciência para duas coisas: bêbado e vagabundo que nitidamente faz lobby com o seu nome, que está ao seu redor para se locupletar de alguma forma, para fazer tráfico de influências. Para certas pessoas, que têm uma cara de pau fora do comum, que não têm desconfiômetro. Com essas pessoas eu não tenho paciência. Mas vou observar o que o senhor está me falando e vou tentar botar uma extensão para o meu pavio ficar mais longo'. Aí a gente se deu um abraço e tal", completou.

No entanto, no dia do segundo turno das eleições, Bebianno disse ter sido comunicado que o governo convidaria Sergio Moro para o Ministério da Justiça. Segundo o ex-presidente nacional do PSL, quem o avisou foi Paulo Guedes, justamente o responsável pelas conversas com o juiz. A versão, afirmou Bebianno, é conhecida pelo ministro da Economia e pelo ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

"Alguns dias depois, houve uma segunda conversa com o mesmo teor. A partir daí, ele olhava para mim às vezes e falava: 'ministro', 'ministro'... Brincando, daquele jeito dele. O tempo passou e aí veio o dia do segundo turno, domingo, na casa do Jair. A gente chegou lá à tarde, umas 17h, 17h30, o Paulo Guedes estava na sala, me puxa, me chama e diz: 'Bebianno, quero conversar com você um negócio importante'. Foi a primeira vez que o Paulo Guedes mencionou que estava conversando com o Sergio Moro. Ele me contou que já tinha tido cinco ou seis conversas com o Sergio Moro e que ele estaria disposto a abandonar a magistratura e aceitar esse desafio como ministro da Justiça", afirmou Bebianno.

"Eu disse duas coisas ao Paulo. 'Primeiro: eu só acredito vendo. Porque, no lugar dele, eu não abriria mão da minha carreira, da minha estabilidade enquanto magistrado, para migrar para uma missão tão turbulenta, numa vitrine tão grande, sem garantias de nada. Mas quero dizer o seguinte, Paulo: parabéns, porque entre mim e o Sergio Moro, é obvio que o Sergio Moro tem um nome, uma notoriedade, tem uma história muito mais relevante que a minha no sentido público, nessa questão toda da Lava Jato. Acho que ele vai conferir um selo de credibilidade logo na saída, e vai ser muito bom'. Nós apertamos as mãos e combinamos o seguinte: se o Moro realmente vier, não tem problema nenhum. Isso no domingo à tarde, antes do resultado", disse.

Segundo Bebianno, até onde ele sabe, Moro não tinha contato nenhum com Jair Bolsonaro. "Zero. Inclusive houve ainda uma cena pública, em um aeroporto, em que o Jair se aproxima do Moro, cumprimenta, bate continência, e o Moro retribui de forma muito sóbria, constrangido e tal. O que eu posso afiançar é que: só se eu desconheço, mas de tudo que eu conheço, e eu estava vivendo ali, nunca houve nenhum contato prévio entre o Moro e o Jair. O que houve foram algumas conversas entre o Paulo Guedes e o Sergio Moro, iniciativa do Paulo Guedes, sondando o Moro para a função."

Bebianno nega "complô político" e elogia Moro

Em nota enviada à reportagem nesta tarde, Gustavo Bebianno reiterou que as conversas para que Sergio Moro integrasse o governo Bolsonaro teriam partido de Paulo Guedes, e não do agora presidente da República.

"Alguns veículos de imprensa distorceram o conteúdo da entrevista, para criar uma narrativa de complô político, que nunca existiu. Até onde tenho conhecimento, o então candidato Jair Bolsonaro, de forma deliberada, nunca teve contato ou se encontrou com o juiz Sergio Moro antes de ser eleito. Qualquer contato que tenha existido entre os hoje Ministros Paulo Guedes e Sergio Moro, antes das eleições, foi resultado de um impulso pessoal do primeiro para buscar um nome de peso para o governo, caso Jair Bolsonaro fosse eleito", afirmou Bebianno, que ainda fez elogios ao ministro da Justiça.

"O Ministro Sergio Moro sempre se mostrou um magistrado sério e comprometido com a justiça, a ética e o país. Quando aceitou a nomeação ao Ministério da Justiça, abandonou uma carreira estável e brilhante na magistratura, para assumir uma nova função pública, instável e incerta. Mostrou, mais uma vez, seu compromisso primordial com o Brasil."

O que Moro fez não tem preço, diz Bolsonaro

UOL Notícias

Política