Topo

Grupos de WhatsApp do novo partido de Bolsonaro são invadidos pela esquerda

Petistas mencionaram Lula, emprego e Bolsonaro; em resposta, direitistas chamaram petista de "rato" - Montagem/UOL
Petistas mencionaram Lula, emprego e Bolsonaro; em resposta, direitistas chamaram petista de 'rato' Imagem: Montagem/UOL

Eduardo Militão

Do UOL, em Brasília

20/11/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Grupos de mensagem visam colher assinaturas para novo partido de Bolsonaro
  • Coleta de nomes para o Aliança pelo Brasil começa amanhã
  • Sigla tem que estar criada até março de 2020 para disputar eleição
  • Desde o dia 15, foram criados mais de 30 grupos com cerca de 6.000 pessoas

Dois dias após sua criação, grupos de WhatsApp abertos no último fim de semana para colher assinaturas para o novo partido do presidente Jair Bolsonaro (PSL), o Aliança pelo Brasil, foram invadidos por militantes de esquerda.

"Galera, foi mal aí. A galera conseguiu invadir os grupos aí", contou em um áudio um dos criadores dos grupos para fomentar assinaturas para o Aliança Pelo Brasil. O partido tem que estar criado até março de 2020 para poder disputar as eleições do ano que vem. Advogados já anunciaram a saída de Bolsonaro do PSL, comandado pelo seu atual desafeto Luciano Bivar. A coleta de assinaturas começa amanhã.

Agora, os grupos deixaram de ser chats públicos e passaram a receber participantes apenas por convites de administradores.

De sexta-feira (15) para cá, foram criados mais de 30 grupos com cerca de 6.000 pessoas ao todo, de acordo com outro criador da iniciativa, o engenheiro civil Wilson Gumz, 62 anos, morador de Vitória (ES). A função dele é montar a estratégia de divulgação da coleta de assinaturas. "Não sou militar, mas eu gosto, entendo de guerra", diz.

Ele confirma a invasão de militantes de esquerda. "Entraram os infiltrados", disse Gumz ao UOL, na segunda-feira (18). "São pessoas que vêm, postam pornografia, querem difamar. Vou chamar de esquerda, são pessoas desajuizadas." Alguns militantes de esquerda publicaram o lema "Lula Livre", para comemorar a soltura do ex-presidente do Luiz Inácio Lula da Silva.

Na tarde de domingo (17), um usuário de Goiânia escreveu: "#LulaLivre. Fascistas que queimem!!! meu país nunca será nazista". Na sequência colocou duas fotos de Jair Bolsonaro rindo com a seguinte legenda: "Rindo feito um retardado".

Em um grupo para a Bahia, um usuário do Rio e outro do interior baiano publicaram vários memes com a foto de Lula e do ex-candidato a presidente Fernando Haddad (PT). "Emprego: trago de volta", dizia um deles, com a imagem do ex-presidente da República.

Em um áudio, o outro coordenador dos grupos da Aliança, que mora em Brasília, detalhou o problema da invasão. "São mais de 30 grupos que estamos administrando e fica difícil controlar", iniciou ele. Eles acabaram com todos os links que permitiam acesso público.

"A gente removeu todos os links e tirou quem está fazendo baderna. Era o mesmo grupo. O pessoal entrava de cinco a dez pessoas em todos os grupos. Eram os mesmos. A gente conseguiu tirar e agora vamos dar uma estabilizada no grupo."

Apesar do incidente, Gumz está animado. "Esses grupos vieram para ficar", disse. Ele não soube dizer se serão usados na campanha eleitoral de 2020.

O engenheiro civil estima que, em março, o novo partido de Bolsonaro terá pelo menos 4 milhões de assinaturas para ser aprovado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Se for autorizado o uso de aplicativo de celular para colher assinaturas, o engenheiro entende que serão mais de 10 milhões de apoios.

Bolsonaristas batem em STF, Alcolumbre e Globo

Um usuário do Maranhão compartilhou um vídeo que exibe fotos de militares e um áudio defendia uma intervenção militar de três meses no Supremo Tribunal Federal. O objetivo seria reagir à falta de ação do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), por não criar a CPI da Lava Toga e nem abrir processos de impeachment de ministros do STF, como Dias Toffoli.

"Quem vai ser preso é o Toffoli, ele está na planilha da Odebrecht, é o amigo do amigo do meu pai", afirma o áudio compartilhado, em que não é possível identificar a voz da pessoa que fala.

Alcolumbre tem sido questionado todos os dias porque não delibera se autoriza ou nega os pedidos de impeachment de ministros do STF. Ontem à noite, o senador Eduardo Girão (Podemos-CE) reiterou a pergunta no plenário da Casa, sem obter resposta.

O tema do Supremo chama a atenção. Ao mencionar os temas abordados nos 30 grupos, a primeira citação de Gumz é o STF. "Por exemplo, a situação do STF, dos ministros, dos seus envolvimentos em relação à vez (sic) do país. Aquilo que era para nos dar uma segurança jurídica, estão trazendo insegurança..."

Na segunda-feira, publicaram um texto com que relaciona a reportagem da TV Globo revelando o depoimento do porteiro do condomínio de Bolsonaro, prestado no inquérito do caso Marielle Franco, a verbas públicas que a emissora teria recebido durante governos do PT. "A polêmica matéria do Jornal Nacional (...) não parece ter nascido do acaso", diz o texto.

Política