PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro compara Flávio a Neymar e questiona sexualidade de jornalista

Eduardo Militão

Do UOL, em Brasília

20/12/2019 09h36Atualizada em 20/12/2019 13h22

Resumo da notícia

  • Bolsonaro diz que Flávio ganha mais que sócio porque leva famosos à loja
  • E afirma que filho, assim como Neymar, "é mais importante"
  • Questionado se achava o filho inocente, respondeu: "Eu não sou juiz"
  • Em entrevista tensa, presidente questiona sexualidade de jornalista

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) comparou hoje seu filho e senador, Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ), ao jogador de futebol Neymar. A fala do mandatário foi dada ao comentar as suspeitas de que o primogênito cometeu lavagem de dinheiro e ficou com parte dos salários de funcionários no Legislativo fluminense quando era deputado estadual.

Bolsonaro evitou responder se considerava o filho inocente. "Eu não sou juiz, eu não sou juiz. Não tem problema comigo". A seguir, disse que outros parlamentares da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) tinham problema de movimentação atípica. "Se alguém desviar um real, é culpado."

As declarações foram dadas em uma entrevista tensa na frente do Palácio da Alvorada na manhã desta sexta-feira, quando cerca de 20 apoiadores do governo interrompiam perguntas ao presidente para elogiá-lo e para atacar os repórteres. O próprio político questionou a sexualidade de um jornalista e, mais de uma vez, ordenou que outros colegas dele ficassem em silêncio.

Flávio é suspeito de desviar e lavar dinheiro da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), num esquema de "rachadinha" de salários de assessores com ajuda do ex-policial Fabrício Queiroz, amigo do presidente.

Parte dos recursos foi lavada com uma loja de cafés especiais e chocolates do senador num shopping do Rio, aponta o MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro). Flávio nega todas as acusações.

Segundo o MP, Flávio recebeu mais lucro na cafeteria do que seu sócio -ambos têm 50% das cotas na empresa. Os promotores entendem que isso mostra que o sócio é "laranja" no negócio. O próprio juiz da 27ª Vara Criminal do Rio, Flávio Itabaiana Nicolau, afirmou que isso não é "usual" e foge à "noção de razoabilidade".

Bolsonaro disse hoje que é normal Flávio receber mais porque leva mais clientes à loja. "Quem leva mais cliente?", perguntou o presidente.

Ele leva um montão de gente importante, ele ganha mais. É a mesma coisa que chegar pro Neymar: 'Por que está ganhando mais que os outros jogadores?' Porque ele é mais importante. Não é comunismo.
Bolsonaro

O presidente também comentou o fato de Queiroz ter depositado R$ 24 mil na conta da primeira-dama, Michelle Bolsonaro. O presidente voltou a dizer que o dinheiro era para ele, que se tratava da devolução de um empréstimo de R$ 40 mil, mas que ele não tem nenhuma prova da operação - como recibos, contratos ou declaração à Receita Federal.

"Eu é que emprestei. Eu conheço o Queiroz desde 85. Se ele, se ele cometeu algum deslize, ele que responda. Não sou eu."

Na sequência, um repórter perguntou: "E se o seu filho tiver cometido algum deslize, presidente?". Ao responder, Bolsonaro questionou a sexualidade do profissional de imprensa:

Você tem uma cara de homossexual terrível, mas nem por isso eu te acuso de ser homossexual.
Bolsonaro

Em outro momento, o presidente chegou a gritar e a ofender um repórter ao responder se ele tinha comprovante do alegado empréstimo feito a Queiroz.

Ô, rapaz, pergunta para a tua mãe o comprovante que ela deu pro teu pai, tá certo?
Bolsonaro

O público vibrou e gritou com a resposta de Bolsonaro. O presidente continuou, desta vez com um grito: "Você tem nota fiscal desse relógio que está contigo no teu braço? Não tem!". E disse na sequência: "Não tem. Você tem nota fiscal do teu sapato? Não tem, porra".

Na entrevista, Bolsonaro criticou os promotores, o juiz que autorizou a operação desta semana contra Flávio, a imprensa e reclamou que houve vazamento de um processo em segredo de Justiça.

"Olha só, uma pergunta a vocês. O processo é segredo de Justiça ou não é? Respondam? Respondam, porra".

Na entrevista, Bolsonaro também atacou o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC). "Você já viu o MP do Estado do Rio de Janeiro investigar qualquer pessoa, qualquer corrupção, qualquer deslize, qualquer agente público do Estado? E olha que o Estado mais corrupto do Brasil é o Rio de Janeiro", disse.

"Vocês já perguntaram para o governador Witzel por que a filha do juiz Itabaiana está empregada com ele?", acrescentou.

O juiz Flávio Itabaiana foi o responsável por autorizar buscas e apreensão e quebras de sigilo bancário, fiscal e de dados telefônicos de uma série de envolvidos com o caso envolvendo o filho do presidente.

Política