PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Itamaraty rebate China e pede retratação; E. Bolsonaro diz que não ofendeu

Alan Santos/PR
Imagem: Alan Santos/PR

Do UOL, em São Paulo

19/03/2020 14h56

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, divulgou nota hoje nas redes sociais para criticar a posição da Embaixada da China no Brasil frente às declarações do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Ontem, Eduardo Bolsonaro comparou a pandemia do novo coronavírus ao desastre na usina nuclear de Chernobyl, nos anos 80. Em seu Twitter, fez um paralelo da situação política da União Soviética da época com a da China atual.

"Substitua a usina nuclear pelo coronavírus e a ditadura soviética pela chinesa", escreveu. "A culpa é da China e liberdade seria a solução", acrescentou.

Também no Twitter, o embaixador chinês no Brasil, Yang Wanming repudiou com veemência a publicação, exigindo uma retratação e prometendo protestar junto ao Itamaraty e à Câmara dos Deputados. A própria embaixada também divulgou uma nota direcionada a Eduardo Bolsonaro na rede social.

"Lamentavelmente, você é uma pessoa sem visão internacional nem senso comum, sem conhecer a China nem o mundo. Aconselhamos que não corra para ser o porta-voz dos EUA no Brasil, sob a pena de tropeçar feio", escreveu a representação diplomática.

Na noite de ontem, o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), pediu desculpas à China e ao embaixador chinês pelas "palavras irrefletidas" de Eduardo Bolsonaro.

"A atitude não condiz com a importância da parceria estratégica Brasil-China e com os ritos da diplomacia. Em nome de meus colegas, reitero os laços de fraternidade entre nossos dois países. Torço para que, em breve, possamos sair da atual crise ainda mais fortes", comunicou.

Hoje, porém, o Itamaraty criticou a China em nota. Nas redes sociais, Ernesto Araújo se isentou de responsabilidade pela publicação feita pelo filho do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) e anunciou "a insatisfação do governo brasileiro" com a China.

Segundo a nota do ministro, "é inaceitável que o Embaixador da China endosse ou compartilhe postagem ofensiva ao Chefe de Estado do Brasil e aos seus eleitores, como infelizmente ocorreu ontem à noite".

A introdução do texto de Araújo dizia respeito a uma mensagem publicada pela Embaixada e compartilhada por Wanming, que dizia: "As suas palavras são extremamente irresponsáveis e nos soam familiares. Não deixam de ser uma imitação dos seus queridos amigos. Ao voltar de Miami, contraiu, infelizmente, vírus mental, que está infectando a amizades entre os nossos povos".

"As críticas do deputado Eduardo Bolsonaro à China, feitas também em postagem ontem à noite, não refletem a posição do governo brasileiro", acrescenta Araújo. "Cabe lembrar, entretanto, que em nenhum momento ele ofendeu o Chefe de Estado chinês. A reação do Embaixador foi, assim, desproporcional e feriu a boa prática diplomática."

De acordo com o titular do Itamaraty, o embaixador chinês em Brasília já foi comunicado a respeito da insatisfação com o comportamento nas redes sociais. "Temos expectativa de uma retratação por sua repostagem ofensiva ao Chefe de Estado", escreveu.

Araújo diz ainda na nota que o Brasil "quer manter as melhores relações com o governo e o povo chinês, promover negócios e cooperação em benefício recíproco, sem jamais deixar de lado o respeito mútuo". Por fim, prontificou-se a conversar com o deputado e com o embaixador "procurando promover um reentendimento recíproco".

Jamais ofendi o povo chinês, diz Eduardo Bolsonaro

Também nas redes sociais, Eduardo Bolsonaro divulgou nota para dizer que jamais ofendeu o povo chinês e assegurou que "tal interpretação é totalmente descabida".

"Esclareço que compartilhei postagem que critica a atuação do governo chinês na prevenção da pandemia, principalmente no compartilhamento de informações que teriam sido úteis em escala mundial", escreveu o parlamentar, defendendo a imunidade parlamentar na defesa do que classificou como estímulo ao debate.

"Assim (...), não identifiquei qualquer desconstrução dos meus argumentos por parte do embaixador chinês no Brasil. Este apenas demonstrou irritação com meu post e direcionou erroneamente suas energias no compartilhamento de posts ofensivos à honra de minha família — este sim um fato grave e desproporcional", compartilhou, indo além.

"Esclareço ainda que meu comportamento não tem o mínimo traço de xenofobia ou algo similar. Na comunidade médica, é bem comum que doenças sejam batizadas em referência à localidade de origem da mazela", emendou.

Por fim, o deputado afirma não desejar problemas com a China. "Não creio que um tweet isolado de um parlamentar levantando questionamentos sobre a conduta de um governo estrangeiro tenha condão para tanto, visto que a discussão de pautas globais é prática normal na comunidade internacional, servindo para aperfeiçoamento de políticas de governo ao redor de todo o mundo", disse Eduardo Bolsonaro.

"Jamais tive a pretensão de falar pelo governo brasileiro, mas devido a toda essa repercussão, despido de qualquer vaidade ou ego, deixo aqui cristalina que minha intenção, mais uma vez, nunca foi a de ofender o povo chinês ou de ferir o bom relacionamento existente entre os nossos países. Manifesto ainda no sentido de lhes dar boas vindas ao nosso país e explicitar minha estima pela contribuição da comunidade chinesa no desenvolvimento do Brasil, terra famosa pelo seu povo acolhedor", concluiu.

Coronavírus