PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Jamil Chade


OMS critica autoridades que culpam China pela proliferação do vírus

China vive onda de críticas crescente em relação à condução da crise do novo coronavírus, que já matou mais d mil pessoas - Getty Images
China vive onda de críticas crescente em relação à condução da crise do novo coronavírus, que já matou mais d mil pessoas Imagem: Getty Images
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

19/03/2020 08h11

A Organização Mundial da Saúde (OMS) critica a tentativa de governos e autoridades de colocar a culpa pela proliferação do vírus na China. Na última semana, cresceu a ofensiva do presidente Donald Trump de se referir ao coronavírus como "o vírus chinês". No Brasil, o deputado Eduardo Bolsonaro usou as redes sociais para dizer, sem provas, que a "culpa" era da China pela proliferação do vírus.

De acordo com a OMS, "num mundo interconectado, vírus e doenças se movem pelo mundo".

A embaixada da China no Brasil usou as redes sociais na quarta-feira ainda para criticar a atitude de Eduardo Bolsonaro, o acusando de ser uma pessoa "sem senso comum". Pequim insinuou que tal atitude do brasileiro foi iniciada depois do encontro entre Trump e Bolsonaro, na semana passada em Miami.

Questionado sobre a ofensiva contra a China por parte de Trump, Michal Ryan, chefe de operações da OMS, disse ainda quarta-feira que não seria uma "boa ideia" criar um "perfil étnico do vírus", o que poderia levar à xenofobia e discriminação. "Precisamos ter cuidado", afirmou. "Precisamos trabalhar juntos", insistiu.

Ele lembrou que, em 2009, quando uma outra pandemia foi declarada, ela surgiu na América do Norte. "E nem assim a chamamos de gripe da América do Norte", afirmou. "Precisamos evitar isso e pedimos que isso não seja o caminho", insistiu.

Na avaliação de Ryan, esse não é o momento de "encontrar culpados". Mas sim de "solidariedade e de fatos".

Em janeiro, quando o coronavírus praticamente se limitava ao território chinês, um grupo de especialistas da OMS se reuniram para definir um novo nome para a doença. A decisão foi a de evitar qualquer referência à nacionalidade ou região, optando por um nome técnico: COVID-19.

Nos últimos dias, as autoridades de Pequim protestaram depois de o presidente americano descrever a doença como um vírus chinês. A situação aprofundou a crise diplomática entre os dois países.

"Os Estados Unidos apoiarão fortemente as indústrias, como companhias aéreas e outras, que são particularmente afetadas pelo vírus chinês", escreveu Trump, na segunda-feira. Para os chineses, o que o presidente americano fez foi tentar culpas Pequim para esconder sua "irresponsabilidade e incompetência".

A China, porém, também tentou transferir a aparição do vírus aos americanos. Na semana passada, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, sugeriu que o "paciente zero" da pandemia pode ter vindo dos Estados Unidos. Mais uma vez, sem provas.

Jamil Chade