PUBLICIDADE
Topo

Gilmar Mendes diz que lideranças políticas 'fogem da ideia' de impeachment

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal - Kleyton Amorim/UOL
O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal Imagem: Kleyton Amorim/UOL

Do UOL, em São Paulo

28/04/2020 17h25

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Gilmar Mendes, afirmou na manhã de hoje que lideranças políticas "fogem" da ideia de um processo de impeachment envolvendo o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

"Tenho a impressão, do que ouço falar no meio político, que todos hoje evitam a palavra impeachment, porque normalmente essa crise que desemboca no impeachment tem um efeito de paralisia do governo enquanto esse processo se desenrola", declarou o ministro durante transmissão ao vivo promovida pela corretora de investimentos Necton. "Percebo que importantes lideranças fogem dessa ideia", acrescentou.

A participação do ministro foi em videoconferência com a temática "Harmonia entre os Três Poderes".

Diante de declarações do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, de que Bolsonaro tentava interferir em investigações da Polícia Federal, o ministro do STF Celso de Mello autorizou que a PGR (Procuradoria-Geral da República) realize a abertura de um inquérito para investigar as acusações.

Para Gilmar Mendes, o processo exige cautela. Antes de se falar em impeachment, na visão do ministro, é necessário verificar se há mesmo a ocorrência de um dos crimes pelo qual Bolsonaro é investigado.

"O que está se investigando no Supremo Tribunal Federal é a eventual existência de um crime comum, eventualmente a advocacia administrativa ou alguma coisa nesse sentido. Mas é claro, que se for verificada a existência do crime comum, se poderá discutir também a existência de um eventual crime de responsabilidade", afirmou.

Errata: o texto foi atualizado
O ministro do STF que autorizou que a PGR (Procuradoria-Geral da República) realize a abertura de um inquérito para investigar as acusações foi Celso de Mello, e não Edson Fachin. A informação foi corrigida

Política