PUBLICIDADE
Topo

Política

Após ouvir Carlos Bolsonaro, PF intima Eduardo a depor em inquérito no STF

Inquérito apura participação de político e empresários em atos antidemocráticos; filhos de Bolsonaro são chamados para depor - Arquivo Pessoal / Reprodução
Inquérito apura participação de político e empresários em atos antidemocráticos; filhos de Bolsonaro são chamados para depor Imagem: Arquivo Pessoal / Reprodução

Eduardo Militão

Do UOL, em Brasília

16/09/2020 20h09Atualizada em 16/09/2020 20h52

A Polícia Federal intimou o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filhos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a depor como testemunhas no inquérito em curso no STF (Supremo Tribunal Federal) que apura a realização de atos antidemocráticos e que pedem a volta da ditadura militar.

Carlos já foi ouvido no dia 10 de setembro, no Rio de Janeiro, e seu irmão prestará depoimento no dia 22. Não se sabe o teor do que o vereador disse à Polícia Federal.

O inquérito dos atos antidemocráticos foi aberto em 19 de abril a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), que se manifestou contra a intimação de Carlos e de Eduardo, depois que uma série de protestos a favor do presidente Bolsonaro pediu a volta da ditadura militar e o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal (STF).

O relator do caso, que está em sigilo, é o ministro do STF Alexandre de Moraes.

Empresários e políticos são suspeitos de financiar os atos, que ocorreram em várias cidades. Houve aglomeração de pessoas nas ruas em plena pandemia de coronavírus, quando o isolamento social e a quarentena eram mais fortes.

Bolsonaro, que participou de um desses atos, em frente ao quartel-general do Exército, em Brasília, não é investigado no processo.

Horas antes de o presidente chegar ao protesto na capital federal, Eduardo Bolsonaro publicou uma foto de uma reunião do pai com os filhos. Não se sabe se a foto se referia a um encontro antigo ou que ocorrera no mesmo dia que Bolsonaro esteve no protesto.

Política