PUBLICIDADE
Topo

Política

Pré-candidatas no Rio atacam Witzel na Alerj: 'Barbárie como política'

"[Witzel] usou o medo como método", disse a deputada Renata Souza, pré-candidata pelo PSOL - Julia Passos/Alerj
"[Witzel] usou o medo como método", disse a deputada Renata Souza, pré-candidata pelo PSOL Imagem: Julia Passos/Alerj

Gabriel Sabóia e Igor Mello

Do UOL, no Rio

23/09/2020 18h19Atualizada em 23/09/2020 18h43

Deputadas da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) que são pré-candidatas à prefeitura da capital fluminense fizeram discursos duros pelo prosseguimento do processo de impeachment contra o governador Wilson Witzel (PSC), na tarde de hoje. Nas palavras de Renata Souza (PSOL), votar pelo afastamento de Witzel do cargo "é votar contra a política de mortes defendida por ele".

"Sempre disse que essa política de mortes chegaria a outras questões. Ele usou o medo e a barbárie como método da sua política. Em maio de 2019, Witzel pediu a cassação do meu mandato. O motivo? Denunciei essa política de mortes com denúncias à ONU. Foi a mesma política que impediu pessoas de terem acesso a respiradores durante uma pandemia por superfaturamentos. Eu não quero vingança, eu quero justiça. Fazer justiça é votar 'sim' contra a política de sangue, a política de barbárie", afirmou a parlamentar que concorrerá à prefeitura.

Outra pré-candidata ao cargo que cumpre mandato na Alerj, Martha Rocha (PDT, foto abaixo) definiu as supostas irregularidades em compras e renovações de contratos para combate à pandemia do coronavírus apontadas pela Comissão de impeachment como um "crime hediondo".

"Não há nenhuma dúvida de que o governador do estado tinha plena ciencia do que acontecia nos porões da Secretaria de Saúde e tinha plena ciência de que ali se praticava um crime que pode ser considerado crime hediondo", afirmou.

A parlamentar chegou a defender que Witzel e sua família deixem o Palácio Laranjeiras durante o período de afastamento. "Governador, todos nós estamos de luto com aquilo que o senhor e sua equipe criminosa fizeram com a saúde do nosso estado. O dia de hoje é um momento péssimo para a política desse estado. Será que é justo manter o governador Wilson Witzel e sua família no Palácio Laranjeiras com o dinheiro do povo do Rio de Janeiro?", questionou.

Martha Rocha - Julia Passos/Alerj - Julia Passos/Alerj
Deputada estadual Martha Rocha, pré-candidata à prefeitura do Rio de Janeiro pelo PDT
Imagem: Julia Passos/Alerj

Relatório aponta práticas criminosas

Em 77 páginas, o relator do processo de impeachment, Rodrigo Bacelar (Solidariedade), recomendou na semana passada que o plenário da Alerj opinasse em relação a supostas irregularidades praticadas pelo governo afastado.

A revogação por Witzel da desqualificação do contrato do Instituto Unir Saúde —que teria como sócio oculto o empresário Mário Peixoto, preso em maio— e supostos superfaturamentos em compras para combate à pandemia são mencionados. Em um trecho, Bacelar afirma não encontrar motivos para repasses de "vultuosos valores a uma empresa que foi punida por comprovadamente não prestar o serviço em sua plenitude" e diz que há "fortes indícios de dano ao erário".

O documento também afirma que Witzel agiu em defesa de interesses privados. "Não existem dúvidas de que o Exmo. Governador, ao abrir mão de todos os mecanismos de controle postos à disposição da administração para dar provimento a recurso contrário a todas as informações técnicas existentes, agiu dolosamente contra os interesses públicos e em benefício de interesses privados", diz outro trecho.

Witzel deve ficar duplamente afastado do cargo

Wilson Witzel - Wilton Júnior/Estadão Conteúdo - Wilton Júnior/Estadão Conteúdo
Pronunciamento de Wilson Witzel (PSC) após ser afastado do cargo de governador do Rio
Imagem: Wilton Júnior/Estadão Conteúdo

Caso 47 deputados (dois terços do total de deputados da Alerj) votem de maneira favorável ao encaminhamento do processo de impeachment, o texto seguirá para o TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro), onde Witzel será julgado por um tribunal misto formado por cinco desembargadores e cinco deputados, conduzido pelo presidente órgão, Claudio de Mello Tavares.

Depois que o TJ acolher o documento, Witzel passará a ficar duplamente afastado. Ele terá até seis meses fornecer as suas alegações e o tribunal misto poderá decidir ou não pelo impeachment.

No dia 28 de agosto, o ministro do STJ Benedito Gonçalves já havia afastado Witzel do cargo por 180 dias em decisão monocrática após receber denúncia da PGR (Procuradoria-Geral da República). Em 2 de setembro, a Corte Especial do STJ confirmou o afastamento por 14 votos a 1. No julgamento, os ministros apontaram a gravidade dos indícios apontados na investigação, como o pagamento de contas em dinheiro vivo.

Política