PUBLICIDADE
Topo

Política

Schelp: "Fala de presidente na ONU é uma aula de como fazer fake news"

Do UOL, em São Paulo

26/09/2020 04h00

O discurso de terça-feira (22) do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na Assembleia Geral da ONU (Organizações das Nações Unidas) ainda gera polêmica. Diogo Schelp, colunista do UOL, afirma no podcast Baixo Clero #58 que, em comparação com o discurso de 2019 na ONU, Bolsonaro dessa vez foi menos agressivo, porém contou mais mentiras.

"O discurso de 2019 foi dado em um contexto de crise de queimadas na Amazônia, com o Brasil sob pressão, fazendo ataques, inclusive, ao presidente da França, Emmanuel Macron", comenta Schelp, que participa do podcast ao lado de Carla Araújo e Carolina Trevisan. (ouça a partir do minuto 2:38)

"Mas foi um discurso ancorado em falácias, ele já percebeu que as mentiras colam com os apoiadores dele, cada vez menos esse governo se constrange em contar mentiras", completa.

Sobre essa abreviada na agressividade no discurso, Carolina Trevisan, colunista do UOL, diz que, o fato de o discurso ter sido gravado pode ter amenizado o tom.

"Ele foi agressivo por contar muitas mentiras, existe muita queimada no Brasil, sim. O próprio Mourão na campanha de 2018 falou que era descendente de índios. Só se ele for o responsável pelas queimadas. É impossível que os responsáveis sejam os caboclos e índios", comenta. (ouça a partir do minuto 05:02)

O UOL Confere mostrou que o presidente distorceu fatos e mentiu em seu discurso na ONU: Bolsonaro elevou o valor do auxílio emergencial para 1.000 dólares a 65 milhões de brasileiros e disse que as queimadas no Pantanal acontecem em decorrência das altas temperaturas na região.

O Sistema Analítico Bites, especializado em coletar e analisar dados da internet, avaliou tweets, hashtags e buscas no Google sobre o assunto, e concluiu que o discurso do presidente gerou mais comentários negativos do que positivos na internet.

Schelp conta que um estudo da Universidade Aalborg, na Dinamarca, analisou discursos e entrevistas de Bolsonaro e membros de sua administração, e mostrou que o governo mudou seus discursos e passou a adotar uma postura diferente sobre a questão ambiental.

"O estudo mostrou que o governo tratava com indiferença a questão ambiental em seus discursos, mas depois da crise do ano passado, o governo passou a ter um discurso diferente, tentando mostrar que o governo faz alguma coisa", diz Schelp. "É uma mudança no discurso, o que não significa que exista uma mudança na prática".(ouça a partir do minuto 08:30)

Os jornalistas também comentaram a situação da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, que segundo reportagem da Folha de S.Paulo teria agido nos bastidores para impedir o aborto legal da menina de dez anos estuprada pelo tio no Espírito Santo. O podcast abordou, ainda, a proximidade das eleições municipais, com destaque para o cenário da capital paulista.

Baixo Clero está disponível no Spotify, na Apple Podcasts, no Google Podcasts, no Castbox, no Deezer e em outros distribuidores. Você também pode ouvir o programa no YouTube. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.

Política