PUBLICIDADE
Topo

Política

Senador pego com notas na cueca declarou 1/4 do patrimônio em dinheiro vivo

Senador Chico Rodrigues (DEM-RR) discursa no plenário - Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Senador Chico Rodrigues (DEM-RR) discursa no plenário Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Eduardo Militão

Do UOL, em Brasília

15/10/2020 20h15Atualizada em 15/10/2020 21h38

O senador Chico Rodrigues (DEM-RR), flagrado com dinheiro na cueca e entre as nádegas em operação de busca e apreensão nesta quarta-feira (14), declarou à Justiça Eleitoral possuir mais de um quarto de seu patrimônio na forma de dinheiro em espécie.

Em 2018, quando disputou as eleições para o Senado, o ex-vice-líder do governo Bolsonaro afirmou ter R$ 525 mil em dinheiro vivo em seu poder — o que representava 26% do seu patrimônio de R$ 1,99 milhão declarado à época. Em 2016, Rodrigues disse possuir quase um terço de bens na forma de recursos em espécie. Havia R$ 710 mil em um cofre particular, ou 31% de seu patrimônio de R$ 2,2 milhões.

Em 2010, Chico Rodrigues também disse que possuía R$ 1,9 milhão. O patrimônio incluía R$ 305 mil em "numerário em cofre particular", o que representava 16% do que o ex-vice-líder do governo possuía.

A reportagem procurou o senador por meio de assessores e do gabinete, mas não obteve resposta. Rodrigues deixou o cargo de representante do governo Bolsonaro no Senado -- após o anúncio do Palácio do Planalto sobre dispensa do senador, ele afirmou ser é inocente. "Estou confiante na justiça, e digo que, logo tudo será esclarecido e provarei que nada tenho haver [sic] com qualquer ato ilícito de qualquer natureza."

Político guardou dinheiro na poupança

Nas últimas eleições, o político também guardou recursos na poupança, investimento tradicional no Brasil. Havia a quantia de R$ 4.578 depositada em uma conta poupança do Banco do Brasil em 2018. Outras aplicações em fundos DI e contas bancárias somavam mais R$ 75 mil.

Em 2014, ele tinha R$ 57 mil em bancos, fundos e aplicações. Em 2010, R$ 80 mil. Em 2000 e 2001, quase a metade do patrimônio do senador estava no sistema financeiro. Lá, estavam R$ 442 mil e R$ 453 mil, respectivamente.

Dono de fazendas, senador declarou perda de bens

Chico Rodrigues é dono de casas e salas comerciais em Brasília e Boa Vista, fazendas, carros, caminhonetes e terrenos. Mas, considerando a inflação, o senador tem afirmadoà Justiça Eleitoral que perdeu patrimônio nos últimos anos.

Em 1998, o político afirmou ter R$ 1,4 milhão em bens, em valores corrigidos pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), usado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) para medir a inflação oficial. O patrimônio foi subindo até 2010.

Naquele ano, Chico Rodrigues disse possuir R$ 3,3 milhões em valores atualizados. Mas, em 2018, ele declarou ter R$ 2,6 milhões. Ou seja, em oito anos, ele perdeu mais de um terço de tudo o que possuía, segundo suas próprias declarações de bens.

Suspeita envolve verba contra coronavírus

Chico Rodrigues é suspeito de participar de um esquema de corrupção envolvendo recursos destinados ao combate à pandemia de coronavírus. Empresas seriam contratadas por indicação do próprio senador e com sobrepreço, segundo a Polícia Federal.

De acordo com relatório da PF, durante a busca e apreensão, foram apreendidos US$ 6 mil (ou R$ 33.750 no câmbio de R$ 5,625) e mais R$ 28.150 na residência de Rodrigues.

Parte desses valores — R$ 18.150 — estava na cueca do parlamentar. E, desse montante, R$ 15 mil estavam acondicionados em local "próximo às suas nádegas", de acordo com relato da delegada da Polícia Federal ao ministro do Supremo Tribunal Federal Roberto Barroso, que determinou hoje o afastamento do senador de suas funções no Congresso por 90 dias.

Política