PUBLICIDADE
Topo

Política

Barroso determina afastamento de senador pego com dinheiro na cueca

Senador Chico Rodrigues (DEM-RR), ex-vice-líder do governo, discursando no plenário - Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Senador Chico Rodrigues (DEM-RR), ex-vice-líder do governo, discursando no plenário Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

15/10/2020 16h24Atualizada em 15/10/2020 19h56

O ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou hoje o afastamento do senador Chico Rodrigues (DEM-RR) de suas funções no Congresso por 90 dias. A decisão agora segue para o Senado, que pode manter ou não a determinação de Barroso.

Ontem, Rodrigues foi pego com uma grande quantia de dinheiro vivo na cueca em sua casa em Boa Vista, quando a Polícia Federal cumpria um mandado de busca e apreensão por suspeita de desvios de recursos públicos de emendas parlamentares destinadas ao combate à pandemia de covid-19.

O senador era vice-líder do governo no Senado, mas foi dispensado da função hoje por causa da repercussão do caso. Ele diz que vai provar sua inocência.

Maços de dinheiros "em suas vestes íntimas"

Na decisão de hoje, o ministro Barroso cita o relatório elaborado pela Polícia Federal sobre a operação. O texto indica que a apreensão do dinheiro aconteceu em mais um de momento, já que o senador tentou esconder parte da quantia mesmo após ter sido flagrado inicialmente com R$ 15 mil, "próximo às suas nádegas". Segundo o relatório, depois, ainda foram encontrados mais R$ 18.150, totalizando mais de R$ 33 mil.

A PF já havia encontrado no cofre da casa quantias que somaram R$ 10 mil e US$ 6 mil (cerca de R$ 33,6 mil, na cotação de hoje). No total, foram apreendidos aproximadamente R$ 77 mil, segundo a descrição da PF enviada ao ministro Barroso. A autoridade policial relatou que "as cédulas de dinheiro encontradas no corpo do Senador não tiveram sua origem lícita comprovada".

Ainda de acordo com a decisão judicial, a PF pediu a prisão preventiva de Chico Rodrigues, mas a PGR (Procuradoria-Geral da República) manifestou-se contrariamente ao pedido. "Não é possível, por ora, afirmar que os valores momentaneamente ocultados pelo Senador efetivamente seriam provenientes dos crimes em suspeita, ou que guardariam relação com as atividades de Senador da República, a despeito da sua sustentabilidade como linha investigatória", alegou a PGR, segundo a decisão de Barroso. A PGR fala em "outras medidas cautelares".

Barroso, que já havia autorizado a operação da PF realizada ontem, justificou em sua decisão que o afastamento de Rodrigues é necessário pela "gravidade concreta dos delitos investigados" e também para evitar que o senador se utilize de suas funções parlamentares para atrapalhar a investigação.

A decisão do ministro ainda detalha a apreensão do dinheiro na cueca do senador. "No momento da realização de busca e apreensão em sua residência, o parlamentar escondeu maços de dinheiro em suas vestes íntimas", escreveu Barroso.

Volume retangular

Em descrição feita pela PF e que embasou a decisão de Barroso, os agentes que participaram da apreensão do dinheiro disseram que o senador foi flagrado com o dinheiro porque apresentava "um grande volume, em formato retangular, na parte traseira das vestes".

Segundo relato do delegado Wedson Cajé Lopes, que participou da ação, durante a busca no cofre do quarto do filho do senador, Rodrigues pediu para ir ao banheiro. Wedson então acompanhou Rodrigues e percebeu o volume na roupa do senador, que vestia um "short azul (tipo pijama) e uma camisa amarela".

"Considerando o volume e seu formato, o Delegado Wedson suspeitou estar o Senador escondendo valores ou mesmo algum aparelho celular", diz o texto.

Senador irritado

A PF relatou que a segunda apreensão aconteceu já com o senador irritado, na sala da casa dele. "Ao ser indagado pela terceira vez, com bastante raiva, o senador Chico Rodrigues enfiou a mão em sua cueca, e sacou outros maços de dinheiro, que totalizaram a quantia de R$ 17.900", diz o relato que consta na decisão de Barroso.

Mesmo após o episódio, os agentes fizeram uma nova busca pessoal para encontrar mais R$ 250, que totalizaram os mais de R$ 33 mil apreendidos.

A PF filmou as ações e o vídeo da segunda apreensão terá que ser mantido em cofre por determinação de Barroso porque "exibe demasiadamente a intimidade do investigado ", diz a decisão. O ministro do STF afirmou que o vídeo causaria a "desnecessária humilhação pública" do senador.

'Vou provar minha inocência', diz senador

No início da tarde de hoje, o senador Chico Rodrigues comunicou sua saída da vaga de vice-líder do governo Bolsonaro no Senado. De acordo com Rodrigues, a decisão foi tomada para esclarecer os fatos. "Vou cuidar da minha defesa, e provar minha inocência", afirmou, em nota.

Rodrigues disse ainda que está confiante na Justiça e que logo tudo será esclarecido. "Volto a dizer, ao longo dos meus 30 anos de vida pública, tenho dedicado minha vida ao povo de Roraima e do Brasil, e seguirei firme."

Dispensa da vice-liderança do governo "a pedido"

Por volta das 12h20, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) solicitou a dispensa do Chico Rodrigues da função de vice-líder do governo no Senado. A saída acontece "em atenção ao pedido" de Rodrigues, segundo mensagem direcionada ao Senado publicada em edição extra do Diário Oficial da União.

A permanência de Chico Rodrigues como vice-líder do governo era vista como insustentável. A expectativa era de que, se não pedisse para sair, seria retirado da função para não prejudicar mais ainda a imagem do governo.

Ele era um dos três vice-líderes do governo no Senado, os outros são Eduardo Gomes (MDB-TO) e Elmano Férrer (PP-PI).

Política