PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
10 meses

Araújo considera 'normal' Brasil demorar um mês para parabenizar Biden

Entre os países que integram o G20, o Brasil foi o último a reconhecer o resultado da eleição dos EUA - Edu Andrade/Fatopress/Estadão Conteúdo
Entre os países que integram o G20, o Brasil foi o último a reconhecer o resultado da eleição dos EUA Imagem: Edu Andrade/Fatopress/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

17/12/2020 22h21Atualizada em 18/12/2020 09h50

Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo avaliou como "normal" o fato de o governo brasileiro ter demorado mais de um mês para reconhecer e parabenizar Joe Biden pela vitória na eleição presidencial dos Estados Unidos. O democrata foi declarado vencedor em 7 de novembro, mas a manifestação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) veio apenas na quarta-feira (15).

"É plenamente normal. Os resultados que foram anunciados em novembro foram anunciados basicamente pela imprensa, com todo respeito à imprensa. Eles se tornaram oficiais com a votação no Colégio Eleitoral, que ainda precisa ser confirmada no Congresso. A oficialização se dá no momento da votação no Colégio Eleitoral. Acho que isso é que é o normal", disse Araújo em entrevista exibida hoje no "SBT Brasil".

O ministro ainda minimizou as acusações infundadas de fraude eleitoral feitas pelo presidente Donald Trump e, mais tarde, endossadas por Bolsonaro. Segundo Araújo, o governo brasileiro estava apenas acompanhando as "notícias que surgiram" e, também por isso, decidiu esperar a confirmação do resultado pelo Colégio Eleitoral para parabenizar Biden.

Entre os países que integram o G20, grupo formado pelas maiores economias do mundo, o Brasil foi o último a reconhecer o resultado da eleição nos EUA. A maior parte se pronunciou já no dia 7 de novembro, quando Biden foi declarado vencedor pelas projeções da imprensa norte-americana.

Pouco antes de se manifestar oficialmente, Bolsonaro já havia dito, em entrevista ao "Brasil Urgente" (TV Bandeirantes), que pediu a Araújo que enviasse uma nota oficial do governo brasileiro parabenizando o presidente eleito.

"Já que os delegados reconheceram que ele [Biden] foi eleito, não vou mais discutir se houve ou não uma eleição tranquila lá. Não me cabe falar mais nada. Esperei o reconhecimento [do Colégio Eleitoral] e nós aqui já fizemos um comunicado agora há pouco ao presidente Joe Biden", anunciou o presidente.

Bolsonaro ainda elogiou Trump, com quem afirmou ter feito um trabalho "excelente". Segundo o presidente, o Brasil sempre teve uma política "um tanto quanto agressiva" com relação aos EUA, mas agora "avançou" e conseguiu "alguma coisa" com os norte-americanos.

Apesar das críticas de Bolsonaro, o governo brasileiro mantinha um bom relacionamento com os EUA nas gestões de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, ambos do PT, quando Barack Obama era o presidente norte-americano (2009-2017).

Leia a nota enviada pelo Brasil a Biden:

Cumprimentos do Presidente Jair Bolsonaro ao Presidente-Eleito dos EUA Joe Biden

O Presidente Jair Bolsonaro transmite a seguinte mensagem ao Presidente-Eleito Joe Biden após o anúncio dos resultados da votação no Colégio Eleitoral dos EUA:

- Saudações ao Presidente Joe Biden, com meus melhores votos e a esperança de que os EUA sigam sendo "a terra dos livres e o lar dos corajosos".

- Estarei pronto a trabalhar com V. Exa. e dar continuidade à construção de uma aliança Brasil-EUA, na defesa da soberania, da democracia e da liberdade em todo o mundo, assim como na integração econômico-comercial em benefício dos nossos povos.

Política