PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

Senador pede à PGR que investigue Pazuello por aplicativo TrateCov

Senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) pede investigação ao ministro por improbidade administrativa - Pedro França/Agência Senado
Senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) pede investigação ao ministro por improbidade administrativa Imagem: Pedro França/Agência Senado

Da Agência Senado

22/01/2021 17h47

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) protocolou ontem uma representação na PGR (Procuradoria-Geral da República) em que solicita que a conduta do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, seja investigada por possível prática de improbidade administrativa. No documento, o parlamentar expõe como fato o lançamento pelo Ministério da Saúde do aplicativo TrateCov, ferramenta que estaria orientando médicos a tratarem seus pacientes com sintomas de covid-19 com o uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra a doença.

A plataforma foi lançada pela pasta na semana passada, em Manaus, e seria usada, inicialmente, apenas por profissionais de saúde do estado. No entanto, qualquer pessoa poderia acessar, preencher o cadastro e obter as receitas. Após a repercussão, o aplicativo saiu do ar ontem.

Ainda na representação, Alessandro Vieira argumenta que o CFM (Conselho Federal de Medicina) manifestou preocupação com os efeitos da plataforma ao divulgar nota alertando, entre outros problemas, a falta de sigilo das informações, a indução da automedicação e a validação científica de medicamentos não reconhecidos internacionalmente para o tratamento, como a cloroquina, a hidroxicloroquina e a azitromicina.

Para o senador, a representação é necessária, uma vez que o caso em questão é flagrante.

"O lançamento do aplicativo coloca em risco a vida de pacientes e a necessária autonomia profissional dos médicos do país, que devem ser livres para elegerem tratamento com embasamento científico. Em nosso sentir, esse cenário impele uma atuação iminente do Ministério Público para que a conduta do representado seja devidamente investigada", justificou.

Coronavírus