PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
11 meses

Em mensagem ao Congresso, Fux prega defesa da Constituição e da democracia

Kelli Kadanus

Colaboração para o UOL, em Brasília

03/02/2021 16h56

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, pregou hoje a defesa da democracia e da Constituição em sua mensagem ao Congresso Nacional. O ministro participou da solenidade de abertura dos trabalhos legislativos na Câmara dos Deputados.

"Nós, homens e mulheres públicos, somos passageiros nas funções que ocupamos. No entanto, os feitos em prol do fortalecimento das instituições, da democracia, e das liberdades humanas e de imprensa não conhecem tempo, nem espaço", afirmou.

O presidente do STF também se compadeceu pelos mais de 226 mil mortos por causa da pandemia de coronavírus no Brasil.

"A inauguração de um novo ciclo é um convite para reafirmarmos as missões institucionais e para renovarmos o compromisso de lealdade à Constituição e à democracia", afirmou o presidente do Supremo.

Ele também pregou a defesa da Constituição. "Nesse processo de reação e de reconstrução nacional, o meu sentir como cidadão é que nossa Constituição sairá mais fortalecida dessa crise. Nossa Carta Magna enunciada sob a proteção de Deus permanece como a âncora do nosso estado democrático de direito", afirmou.

Bolsonaro vaiado

Antes de Fux, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) também discursou no Congresso Nacional, durante a abertura dos trabalhos legislativos.

Após o Hino Nacional e antes do discurso do Executivo, os integrantes da casa gritaram pelo seu afastamento, chamaram Bolsonaro de "fascista" e "genocida" e criticaram sua postura do presidente sobre a pandemia do coronavírus. Em resposta, os aliados do presidente gritaram "mito", antes de Bolsonaro desafiar os oposicionistas: "nos vemos em 2022".

"Muitos debates entre nós, muitas ideias divergentes, mas sempre respeito a qualquer autoridade que porventura estivesse presente neste momento", completou. Enquanto isso, Rodrigo Pacheco, novo presidente do Senado, pedia respeito no plenário.

Política