PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
15 dias

Foi um divórcio tranquilo, diz Kajuru sobre saída do Cidadania

Hanrrikson de Andrade, Andreia Martins e Allan Brito

Do UOL, em Brasília e em São Paulo, e colaboração para o UOL, em São Paulo

14/04/2021 11h15Atualizada em 14/04/2021 14h03

O senador Jorge Kajuru disse que a sua saída do partido Cidadania "foi um divórcio tranquilo" e não teve relação com a divulgação da conversa entre ele e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

"Na questão do Cidadania, não foi pelo episódio [da gravação]. O partido escreveu uma carta aberta e respeitosa. Foi um divórcio tranquilo. Roberto [Freire, presidente do partido] sabia que eu queria sair. O partido tomou uma posição que era contra prefeitos e governadores [estarem no escopo da CPI], queria só do governo federal. Eu disse não concordo e estou fora", afirmou o senador ao participar do UOL Entrevista. Kajuru foi entrevistado pelo chefe da sucursal do UOL em Brasília, o colunista Tales Faria, e pela repórter Luciana Amaral.

Kajuru reforçou que "não foi o Cidadania que pediu para eu sair". "Eu avisei, dois meses atrás, que não queria continuar no partido. Atendi exclusivamente, por respeito e admiração a dois colegas, que esperasse um pouco. Espera tem limite. Uma hora vou explodir", completou.

Kajuru não confirmou para qual legenda migrará. "Vou anunciar amanhã", disse, afirmando apenas que existe uma conversa com o Podemos.

"Há seis meses estou nesse namoro com o senador Alvaro Dias (Podemos-PR), porque é o partido que tenho mais relação. Sou amigo pessoal de todos. Tenho muito respeito ao partido. Solicitei desejo de me filiar. Vamos ver se vão aceitar. Todos partidos que você vai, tem que entrar pela porta da frente", completou.

No final de semana, o senador divulgou uma conversa gravada por ele com o presidente Jair Bolsonaro e cujo principal tema foi a CPI da Covid, a ser instalada no Senado. No diálogo com Kajuru, o presidente reclama que a CPI investigará somente o governo federal e afirma ter receio que o relatório da comissão seja "sacana".

Após a divulgação da conversa, Bolsonaro disse que não sabia da gravação, já Kajuru afirma que avisou o presidente que colocaria a conversa no ar.

Política