PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
15 dias

Sem previsão de alta, Bruno Covas segue internado para tratar câncer

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), segue internado sem previsão de alta para tratar um câncer - Reprodução / YouTube
O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), segue internado sem previsão de alta para tratar um câncer Imagem: Reprodução / YouTube

Do UOL, em São Paulo

20/04/2021 16h47Atualizada em 20/04/2021 17h00

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), segue internado para dar continuidade ao tratamento com quimioterapia e imunoterapia. O novo boletim médico emitido na tarde de hoje informa que não há previsão de alta hospitalar.

O gestor municipal voltou ao hospital na última quinta-feira (15) para realizar exames que constataram novos pontos do câncer no fígado e nos ossos.

Covas usou as redes sociais para dar atualizações sobre seu estado de saúde. Na publicação, o prefeito disse que "a luta continua" e agradeceu o carinho que tem recebido.

"O apoio e o carinho que recebo todos os dias me dão cada vez mais força. Seguirei como sempre: de cabeça erguida e cumprindo, junto com minha equipe, nossos compromissos com São Paulo", escreveu no Instagram.


O prefeito está sendo acompanhado pelas equipes médicas coordenadas pelo Prof. Dr. David Uip, Dr. Artur Katz, Dr. Tulio Eduardo Flesch Pfiffer e pelo Prof. Dr. Roberto Kalil Filho.

Histórico de câncer

Bruno Covas foi diagnosticado em outubro de 2019 com um câncer na cárdia, região de transição entre o esôfago e o estômago. Na altura também foi descoberta uma metástase no fígado e uma lesão nos linfonodos.

O prefeito de São Paulo foi submetido a oito ciclos de quimioterapia ao longo de quatro meses.

Em fevereiro de 2020, os médicos avaliaram que o tratamento havia sido satisfatório, mas não suficiente. Por essa razão, Covas deu início a imunoterapia.

Em 17 de fevereiro deste ano, um nódulo no fígado foi detectado e a imunoterapia foi interrompida. Com o novo diagnóstico, os médicos informaram que Covas faria quatro sessões de 48 horas de quimioterapia.

Política