PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
9 meses

Witzel: Há indícios de que Bolsonaro usa MP para prejudicar governadores

Governador afastado do Rio se diz o único "politicamente prejudicado" por uso político do MP - PILAR OLIVARES
Governador afastado do Rio se diz o único "politicamente prejudicado" por uso político do MP Imagem: PILAR OLIVARES

Colaboração para o UOL

23/04/2021 22h51

O governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), disse haver "indícios suficientes" de que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) "usa o MP para prejudicar governadores". O que sustentaria essa tese, segundo Witzel, é o fato de o ex-ministro Sergio Moro ter dito "que o presidente estava interferindo no Ministério da Justiça".

"Na gravação que foi divulgada, o presidente disse para o Ministro da Justiça que ele só queria o RJ. Logo após da saída de Moro, as operações no Rio começaram e foram duas buscas e apreensões na minha casa em três meses", disse, em entrevista à CNN Brasil.

Para Witzel, o MP "deveria investigar todos" mas, medidas como afastamento do cargo e prisão, "só podem ser deferidas em casos extremos e justificáveis". O que, em seu ponto de vista, não aconteceu. Para o governador afastado, o "único politicamente prejudicado" foi ele mesmo.

Além disso, entende que o Ministério Público está sendo utilizado pelo presidente para atingir governadores e prefeitos que são contrários aos interesses de Bolsonaro, "que é negacionista e não senta para dialogar".

Em participação no UOL Entrevista, Witzel já havia criticado o ex-aliado pela postura frente à pandemia de covid-19. À época citou a falta de apoio do governo federal na tomada de decisões, o que teria deixado os governadores "abandonados à sua própria sorte" e sem diálogo.

'Processo de impeachment atípico'

Afastado do governo do Rio após se tornar alvo de denúncias por corrupção e lavagem de dinheiro, e responder a processo de impeachment, Witzel alega que "o estamos assistindo é um processo de impeachment que é atípico". Isso porque, segundo ele, não é um desejo da população.

Para Witzel, os moradores do estado estavam "de acordo com o que estávamos fazendo". Por isso, entende que tudo não passa de um processo "manipulado" para atender aos "interesses de determinados grupos políticos do país".

O julgamento do pedido de impeachment do governador afastado está marcado para o próximo dia 30 de abril. Confiante de que será inocentado, Witzel afirma que sua condenação representaria "uma ruptura democrática muito grave" para o estado do Rio e também para o Brasil.

Por isso, não descarta concorrer novamente a uma eleição. "Me candidataria de novo. Se cassado for, não serei cassado por corrupção", disse.

Política