PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Queiroga diz a CPI que não fará 'juízo de valor' sobre uso da cloroquina

Rayanne Albuquerque, Luciana Amaral e Lucas Valença*

Do UOL, em São Paulo e em Brasília

06/05/2021 11h26Atualizada em 06/05/2021 12h20

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid, questionou o ministro da Saúde Marcelo Queiroga sobre haver ou não uma concordância com a indicação de cloroquina aos pacientes diagnosticados pela covid-19, que tem uso incentivado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), ainda que o medicamento não tenha eficácia comprovada para o tratamento da doença.

Após se esquivar da resposta, o gestor da pasta disse que não pretende julgar os posicionamentos de Bolsonaro.

Não tenho que fazer juízo de valor a respeito das opiniões do presidente da República"
Marcelo Queiroga, ministro da Saúde

A tentativa de Queiroga de se esquivar da pergunta de Renan gerou um bate-boca entre senadores governistas e oposicionistas, e chegou a irritar, inclusive, o presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM). "Até minha filha de 12 anos falaria sim ou não", disse Aziz.

Na sessão, Renan citou que a cloroquina é "uma obsessão do Presidente da República". Em contraponto, Queiroga disse ao colegiado que não determinou a distribuição do medicamento no país e que teve autonomia para escolher os secretários da saúde, conforme "critérios técnicos".

O relator questionou ainda quais são as medidas que têm sido adotadas pela gestão de Queiroga para evitar o avanço da covid-19 no país, pontuando especificamente a adoção de medidas restritivas.

Essa questão das políticas de restrição de pessoas tem que ser aplicada de acordo com o momento epidemiológico e conforme a condição de cada município e estado
Marcelo Queiroga, ministro da Saúde

O ministro alegou que a pasta está trabalhando para construir uma instrução geral sobre essas medidas e afirmou que o pensamento converge com o que Bolsonaro idealiza. Renan rebateu, afirmando que havia uma aparente "divergência" entre o presidente e o ministro.

Exerço cargo de confiança da República
Marcelo Queiroga, ministro da Saúde

Queiroga defendeu a vacinação da população, além de procurou mostrar o trabalho da pasta e transmitir uma imagem de união.

"Destaco que a solução que nós temos para o problema da pandemia é a campanha de vacinação. Então, precisamos vacinar a nossa população. A vacina contra a covid é uma resposta da ciência", disse.

Cronograma dos próximos depoimentos à CPI

  • Presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres: 6 de maio, às 14h
  • Ex-secretário da Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten, e representantes da Pfizer: 11 de maio
  • Presidentes da Fiocruz, Nísia Trindade, e do Instituto Butantan, Dimas Covas: 12 de maio
  • Ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e representante da União Química: 13 de maio
  • Ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello: 19 de maio

* Com colaboração de Nathan Lopes, do UOL em São Paulo

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.